notíciasEducação

Governo ofereceu 47,7% a professores federais saírem da greve

O Globo

 

O governo federal propôs nesta sexta-feira (13), um plano de carreira, a vigorar a partir de 2013, às entidades sindicais dos professores dos institutos e das universidades federais, com o objetivo de acabar com a greve que já ultrapassa 60 dias. A proposta reduz de 17 para 13 os níveis da carreira, como forma de incentivar o avanço mais rápido, a busca da qualificação profissional e dos títulos acadêmicos. O reajuste pode chegar a 47,7% para professores de institutos federais e 45% para professores de universidades com doutorado e dedicação exclusiva, ao longo de três anos, e custará R$ 3,9 bilhões aos cofres públicos.

De acordo com o plano, todos os docentes federais de nível superior terão reajustes salariais, além dos 4% concedidos pela MP 568 retroativo a março, ao longo dos próximos três anos. O salário inicial do professor com doutorado e com dedicação exclusiva será de R$ 8,4 mil. Os salários dos professores já ingressados na universidade, com título de doutor e dedicação exclusiva passarão de R$ 7,3 mil para R$ 10 mil. Ao longo dos próximos três anos, a remuneração do professor titular com dedicação exclusiva passará de R$ 11,8 mil para R$ 17,1 mil.

Representante do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), William Carvalho, que está presente na reunião com o governo federal, diz que a proposta precisa ser mais bem avaliada.

- O governo está divulgando que os professores terão aumento de 45% nos próximos três anos, mas esse percentual é o máximo que um mínimo de docentes terá de reajuste. Vai depender de titulação e dedicação exclusiva, e não vão dar o mesmo valor para os aposentados. Há uma série de questões que contrariam o que o governo está divulgando. Vamos nos reunir com os representates dos sindicatos para discutir, mesmo porque até agora não apresentaram o documento por escrito e já começamos a identificar algumas contradições na fala do governo - disse Carvalho.

A presidente da Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior (Andes), Marinalva Oliveira, também criticou a proposta do governo. Segundo informações da Agência Brasil, a categoria grevista terá nova reunião com governo federal no dia 23 de julho. Até lá, a paralisação continua.

- A proposta do jeito que está não contempla nossas reivindicações, que é a reestruturação da carreira, considerando uma carreira atrativa para todos os níveis. Do jeito que está não contempla desde o professor graduado até o professor com doutorado. Atende apenas uma minoria - reclamou Marinalva. - Hoje estamos com quase 100% da base em greve. Vamos levar a proposta às nossas bases, realizar assembleias para que retornemos ao governo com nossa contraproposta. Esperamos que o diálogo possa acontecer - disse.

A greve dos professores já dura 60 dias e atinge 56 das 59 universidades federais além de 34 institutos federais de educação tecnológica. No Rio de Janeiro, UFRJ, UFF, Unirio e UFRRJ estão paradas, além do Cefet-RJ e do Colégio Pedro II.

Clique e confira a evolução do salário e da carreira dos professores:

Magistério superior

Institutos federais

 

Segundo o Ministério do Planejamento (MPOG), a proposta permite visualizar uma mudança na concepção das universidades e dos institutos federais, na medida em que estimula a titulação, a dedicação exclusiva e a certificação de conhecimentos.

No caso dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, além da possibilidade de progressão pela titulação, haverá um novo processo de certificação do conhecimento tecnológico e experiência acumulados ao longo da atividade profissional de cada docente.

 

imprimir

Comentário indisponível

Em respeito à Legislação Eleitoral estamos removendo temporariamente o espaço reservado aos comentários dos internautas. Estaremos retomando esta interatividade tão logo cesse o período de vedações previstas em Lei.