notíciasEducação

Greve dos professores da PB deixa mais de 400 mil estudantes sem aula

Estadão
Greve dos professores da Paraíba ganha repercussão nacionalGreve dos Professores (Estadão)

Em pelo menos seis Estados, movimentos grevistas de professores da rede pública estão afetando até 1,7 milhão de estudantes, ao todo, segundo sindicatos da categoria. Cada Estado - ou município, no caso de Porto Alegre - tem reivindicações diferentes e negocia de maneira independente.

Os professores do Amapá entraram ontem em greve, por tempo indeterminado. Eles reivindicam reajuste salarial de 16%, contra os 3% oferecidos pelo governo. Na capital Macapá, 90% dos professores teriam aderido.

Em Porto Alegre, a greve chegou ao terceiro dia e afeta 40 mil alunos. A categoria não aceita reajuste de 6,5% em maio e mais 0,5% em dezembro e quer 18%. A prefeitura sustenta que não pode oferecer mais. O Sindicato dos Municipários estima que 90% dos educadores estão parados, enquanto a prefeitura afirma que o índice é de 70%. A categoria diz que a greve só termina se houver nova proposta.

Em Sergipe, os professores da rede estadual entram no quarto dia de paralisação, prejudicando 300 mil alunos. Eles fazem hoje uma vigília na Assembleia Legislativa a partir das 8 horas e, amanhã, um ato público no centro comercial de Aracaju. A categoria recusou proposta de pagamento integral imediato do reajuste de 15,86% para os professores do nível um e a partir de setembro para os demais níveis.

Adesão forte. Em Santa Catarina, onde a greve chega ao oitavo dia, a adesão é de quase 90% (35,6 mil dos 39 mil professores da rede), segundo o sindicato da categoria. Cerca de 600 mil alunos estariam sem aula.

A greve é uma reação à proposta do governo que fixa, por medida provisória, o piso nacional do magistério em R$ 1.187 para docentes que não tinham o valor como salário-base sem a soma de abono. Antes, o mínimo era de R$ 609. Os professores são contra a MP porque ela não acompanharia o progresso de carreira. O governo se recusa a negociar, e os grevistas querem que os deputados rejeitem a MP.

Em Alagoas, onde 350 mil estão sem aula, os professores decidiram prorrogar a greve, iniciada na semana passada, por mais uma semana. Os docentes acusam defasagem de 25% no salário, mas o governo oferece 7%.

Quase um mês. Na Paraíba, 18 mil funcionários de 600 escolas (60% dos profissionais) estão em greve há 25 dias, segundo o sindicato local, afetando as aulas de 400 mil estudantes. Os professores pedem piso de R$ 890 para 30 horas semanais e manutenção das gratificações. Hoje, o piso é de R$ 661. O governo diz que aceita pagar o piso, desde que as gratificações sejam incorporadas.

 

imprimir

comentários

  • Jammes disse:

    Em Fortaleza os professores estão há mais de um mês em greve. Também pelo piso nacional e pelo horário de planejameno, principalmente. Até agora, a digníssima prefeita (que é professora) finge que não é com ela... triste!

  • GRAÇA disse:

    VEJAM QUE COISA MARAVILHOSA AQUI NA PARAÍBA AS PESSOAS SÃO MUITO MAL INFORMADAS QUANDO SE TRATA DE EDUCAÇÃO: O GOVERNO NÃO SABE NADA SOBRE O PISO QUE SERIA VENCIMENTO SEM INCORPORAÇÃO DE VANTAGENS ,O SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO VAI A MÍDIA E DIZ QUE O GOVERNO JÁ DEU TUDO QUE OS PROFESSORES REIVINDICARAM,OS POLÍTICOS SÓ ENXERGAM O PRÓPRIO NARIZ,O MINISTÉRIO PÚBLICO TOTALMENTE OMISSO,OS OTÁRIOS QUE FICARAM TRBALHANDO TIVERAM O MESMO DESCONTO DE QUEM ESTAVA EM GREVE ELES NEM SABEM QUE SÓ PODE DESCONTAR AS FALTAS DOS PROFESSORES SE ELES SE NEGAREM A REPOR AS AULAS NÃO ESTAMOS PEDINDO ESMOLAS ESTAMOS APENAS REIVIDICANDO O QUE A LEI NOS GARANTE O PISO...É DIFÍCIL DE ENTENDER ????

  • Joao de Deus de Oliveira disse:

    Grande incentivo essa Bolsa Esmola, os Professores leigo que tem o Ensino Médio, ganhar uma Bolsa igual a um com Pós Graduação. Essa é a Educação de Qualidade que o Governo oferece, esse Secretário serve só de Espantalho não entende nada de Educação, é apenas um fantoche seguindo determinações inequivocas e prejudiciais ao andamento do ano letivo, Professores sejam realistas parar a GREVE só quando o PISO for implantado.

  • Carlos Eduardo disse:

    Governador foi o senhor que nos ensinou a lutar por nossos direitos!!! Quantas vezes estivemos juntos reivindicando melhoria para os professores, principalmente contra o governo Maranhão I e II. É mentira Governador? O senhor está se tornando a maior decpção política que a Paraíba já viu.

  • Cassio disse:

    Mais um Semana sem aula,Isso ja esta ficando meu chato né? Por isso que sempre falo; -VIDA DE POBRE é TENSA. ACORDA POVO

  • marcos félix disse:

    Concordo com você, Raymunda, os professores ficaram também com um descontão no salário deste mês por causa da greve, isto é uma ditadura mesmo, acho que é a primeira vez que uma greve no Brasil, recebe um tratamento deste.Não pode ficar assim, esse cara quer fazer o que vem na cabeça dele.

  • raymunda silva disse:

    para melhora a situação o governador mecheul no salario de todos mós isto vai fica assim eu trabajho na limpeza vamos passar fome vamos nos unir para tira este ditador em nome de jesus.

escreva seu comentário

Resolva a conta da imagem abaixo para validar seu comentário:captcha
aviso importante"O portal de notícias ClickPB não se responsabiliza pelas opiniões emitidas neste espaço pelos leitores e destacamos que os IPs de origem dos comentários ficam disponíveis para eventuais demandas jurídicas ou policiais".