notíciasEsporte

Jornal da Paraíba: Treze recebe R$ 2,4 mi, mas não joga a Série C

Jornal da Paraíba
Jornal da Paraíba: Treze recebe R$ 2,4 mi, mas não joga a Série C

 

Após 32 dias de polêmica e disputas judiciais, a CBF finalmente confirmou o início da Série C do Campeonato Brasileiro para este final de semana. A competição reunindo 20 clubes era para ter começado no último dia 27 de maio, mas um imbróglio provocado pelo Treze e pelo Brasil, que acionaram a Justiça comum para tentarem garantir suas vagas no torneio após perderem o julgamento da causa na esfera desportiva, provocou a paralisação das Séries C e D.

De acordo com as normas da CBF e da Fifa, clubes e associações a elas filiados não podem recorrer à Justiça comum para tratar de questões desportivas sob risco de sofrerem duras penas, entre elas a desfiliação. Semana passada teve início a Série D e agora será a vez da C. Nesta primeira rodada, os jogos serão disputados amanhã, domingo e na segunda-feira.

Desde o início da manhã, a cúpula da CBF esteve reunida tentando encontrar uma solução para o impasse. A entidade decidiu que o Rio Branco-AC será mantido na Série C e fez um depósito em juízo de R$ 2,48 milhões para o Treze até que o mérito da ação seja julgado em definitivo, atendendo a uma decisão da Primeira Vara Cível da Comarca de Campina Grande, que exigia a inclusão do Galo na competição.

Antes mesmo do desfecho do caso, os presidentes dos clubes já tinham sido comunicados por suas respectivas federações que a competição iria começar este final de semana.

"Os ingressos para a partida do Fortaleza contra o Águia de Marabá-PA, domingo, às 17h, no Estádio Presidente Vargas, já estão sendo vendidos desde as 14h de hoje (ontem), já que recebemos uma ligação autorizando a venda", revelou o presidente do Tricolor cearense, Osmar Baquit. Com a definição sobre o início da Série C, a sensação nos clubes é de alívio.

"O início da Série C representa voltar à tranquilidade e ter a oportunidade de equilibrar novamente as finanças do clube, já que o prejuízo com a paralisação gira em torno de R$ 800 mil reais", afirma.

Opinião esta que é compartilhada pelo presidente do Vila Nova-GO, Marcos Martinez. "É muito difícil manter as despesas de um clube com alimentação, transporte, entre outras coisas, com o elenco apenas treinando durante 60 dias e não podendo contar com as rendas das partidas".

Nesta sexta-feira, às 13h30, Treze e Brasil serão julgados pela Quarta Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por terem desrespeitado o Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) ao ingressarem na Justiça comum reivindicando participação na Série C do Campeonato Brasileiro após perderem suas causas na esfera desportiva.

Relator da denúncia, o procurador Paulo Schmitt exige a retirada imediata dos processos sob pena de multa e suspensão dos dirigentes, além de sugerir suspensão dos clubes por pelo menos um ano, nos termos do artigo 48 da Lei Pelé que, contudo, prevê penas mais pesadas, incluindo a desfiliação, decisão que só pode ser tomada pela CBF e pelas respectivas federações. As multas previstas são de R$ 100 mil, mas o valor pode aumentar caso os clubes sejam condenados nos dois artigos.

imprimir

comentários