notíciasReligião

Dom Aldo revela detalhes do Conclave que escolhe o próximo Papa

Dayana Lucas
Arcebispo revela detalhes do Conclave que escolhe o próximo PapaImagem (Da Internet)

O ClickPB foi ouvir nada menos do que o chefe da Igreja Católica na Paraíba Arcebispo Dom Aldo Pagotto para revelar todos os detalhes de como será o conclave que começa amanhã (12) no Vaticano e só termina com a escolha do novo Papa.

Em uma entrevista rápida e objetiva Dom Aldo revela que o Conclave significa  uma reunião secreta, ou seja, fechada a chave, essa palavra vem do latim cum clave, onde de fato os cardiais estarão isolados do mundo "exterior" e voltados para a escolha. O Arcebispo ressalta "A eleição é realizada de forma mais sigilosa possível, os cardiais ficam literalmente "com chave" da convivência com o exterior durante o processo de escolha".

Desde a oficialização da renúncia do Papa no dia 28 de fevereiro até está terça-feira (12) os cardiais participaram de reuniões de reconhecimento e levantamento de perfil e histórico do novo Papa. Dom Aldo falou que "para a eleição do novo Papa os votos tem que totalizar 71 dos 115 votantes, caso o nome indicado não aceite ser o novo papa, o processo de votação começa novamente até atingir dois terços dos votantes e o eleito aceite a indicação de papa, a votação não tem prazo definido, ultimamente durou de dois a cinco dias".

 

Cronologia -  Fonte: Terra

Esta é a cronologia de acontecimentos no Vaticano desde o anúncio surpresa da renúncia histórica do papa Bento XVI, no dia 11 de fevereiro, até o anúncio nesta sexta-feira da data de início do conclave dos 115 cardeais eleitores encarregados de eleger seu sucessor:

- 11: Bento XVI (Joseph Ratzinger), de 85 anos de idade, eleito 265º Papa em abril de 2005 e sucessor de João Paulo II, surpreendeu ao anunciar sua renúncia a partir de 28 de fevereiro ao trono de São Pedro, algo inédito há sete séculos. O motivo alegado é que "já não tem forças" para dirigir a Igreja católica em razão de sua "idade avançada". Muitas vozes no mundo expressaram respeito por esta decisão considerada "valente".

- 13: Para sua última grande missa na Basílica de São Pedro, Bento XVI denuncia "os golpes dados à unidade da Igreja" e "as divisões no corpo eclesiástico".

- 14: Em uma mensagem considerada seu testamento teológico, o Papa pede uma "verdadeira renovação" da Igreja, passando pela aplicação plena do Concílio Vaticano II.

- 17: Bento XVI pede que a Igreja se "reoriente" e se "renove" frente a uma multidão de mais de 50.000 pessoas reunidas para seu penúltimo Angelus.

- 22: As revelações verdadeiras ou falsas, divulgadas ao longo de 2012 no escândalo do vazamento do "Vatileaks" reaparecem e se menciona a existência de um suposto "lobby gay" no Vaticano. "Fofoca" e "calúnias", replica o Vaticano.

- 24: Deus pediu que "me dedicasse muito mais à oração e à meditação", mas isso "não significa abandonar a Igreja", disse Bento XVI em sua última oração do Ângelus na praça de São Pedro cheia de gente.

- 25: Suspeito de comportamento indecente, o cardeal Keith O'Brien, principal eclesiástico católico na Grã-Bretanha, renuncia ao posto de arcebispo e renuncia ao conclave. O Vaticano divulga que o informe da investigação sobre o caso dos vazamentos de documentos confidenciais no entorno de Bento XVI será transmitido exclusivamente ao futuro Papa.

- 27: O Papa é aclamado pela multidão em frente à praça de São Pedro em sua última aparição pública. "Deus não deixa afundar o seu barco", inclusive durante "as águas agitadas", disse em sua última catequese.

- 28: Bento XVI promete uma "obediência incondicional" a seu sucessor. "Ponham Cristo no centro de suas vidas", comentou em seu último tweet. À tarde, se dirige à residência de verão dos Papas em Castel Gandolfo, no sul de Roma, onde viverá por dois meses. Envia de lá sua última mensagem papal: "já não serei Papa mas apenas um peregrino".

Sua renúncia entra em vigor às 16H00 no horário de Brasília. Sua conta de Twitter é fechada e Joseph Ratzinger se torna "Sua Santidade Bento XVI, Papa Emérito".

Tem início o período de "Sede vacante" durante a qual o cardeal camerlengo, o italiano Tarcisio Bertone, é o "chefe" interino do Vaticano.

- 4: Primeira reunião preparatória do conclave na "sala do Sínodo", que foram convocados pelo decano do sacro colégio, Angelo Sodano, os 209 cardeais, eleitores ou não do Papa (é preciso ter menos de 80 anos para votar).

- 5: Fecha a Capela Sistina para preparar o conclave. Os cardeais eleitores (115 anunciados) devem eleger ali o novo Papa no mais absoluto sigilo. Duas urnas crematórias foram instaladas, uma para queimar os votos e outra alimentada para que saia fumaça negra (a falta de eleição) ou fumaça branca no caso da eleição do 266º Papa.

- 8: No quinto dia de reuniões secretas preparatórias, os cardeais decidem entrar no conclave a partir da terça-feira, dia 12.

imprimir

Comentário indisponível

Em respeito à Legislação Eleitoral estamos removendo temporariamente o espaço reservado aos comentários dos internautas. Estaremos retomando esta interatividade tão logo cesse o período de vedações previstas em Lei.