UFC

Após primeira vitória no peso-galo, José Aldo quer encarar Dillashaw: "É um desafio de ex-campeões"

Brasileiro espera dar as boas-vindas ao americano, que cumpriu suspensão ao testar positivo no exame antidoping e estará livre para retornar ao octógono a partir de 19 de janeiro.

Por

Longe das vitórias - havia perdido três lutas consecutivas -, José Aldo voltou a sorrir no sábado, em Las Vegas (EUA), no UFC Thompson x Neal. O manauara superou Marlon Vera na decisão dos jurados, faturou seu primeiro triunfo no peso-galo e recuperou a confiança com uma boa apresentação.

Logo após bater Marlon Vera, José Aldo apontou sua alça de mira na direção de TJ Dillashaw, ex-dono do cinturão do peso-galo. O brasileiro - que reinou com o título dos penas -, espera um duelo de ex-campeões contra o americano, que retornará ao cage a partir de 19 de janeiro, quando expira a pena de dois anos de suspensão por doping.

- O TJ está voltando da suspensão dele. Venho falando que não é desafio de pessoa para pessoa. É um desafio de ex-campeões. Tanto eu quanto ele dominamos por muito tempo, eu nos penas, ele nos galos. Nada mais justo que o UFC fazer essa luta, todo mundo sai ganhando - disse Aldo, que espera retonar ao cage em março, ao Combate.

Em relação ao passado de doping de Dillashaw - flagrado por uso de substância que otimiza a performance -, José Aldo, que ganhou uma jaqueta da USADA (Agência Antidoping dos EUA) por alcançar 50 exames "limpos", não se mostrou preocupado.

- Pois é (risos), é engraçado... Ganhei a jaqueta de 50 testes, o Cormier, a Holly Holm. Eu já tenho 60 testes feitos. Nada a ver também, o erro foi dele (Dillashaw), ele que resolva. Fora isso, faríamos uma grande luta. É uma luta versátil, porque ele se movimenta bastante, é atlético, tenta confundir usando mãos e pernas. A gente pode fazer uma grande luta. Estou fazendo coisas novas, tenho experiência de treinar com o Renan na época que lutou com ele. Conheço o estilo dele. É uma nova história, uma nova luta.

Feliz pela primeira vitória nos galos, José Aldo comemorou o fato de voltar a subir no Ultimate, afinal, três derrotas consecutivas era algo que jamais havia encarado na carreira.

- Era o que esperava, um atleta agressivo, tem bons chutes. Ele tenta enganar com as pernas, levar para a grade e jogar cotovelo e joelho. Vim bem treinado para isso. No segundo round ele deu uma crescida, até me acertou uma joelhada, mas nada que veio a me incomodar. Eu que dei uma diminuída. O terceiro round eu sabia que seria bem disputado, mas peguei as costas dele e terminei a luta assim.

- Sou de uma terceira geração antiga, muitos pararam, eu continuo ativo aí. Sempre vai ter pressão, mas fico tranquilo. Vim só para vencer, conversei com o Dedé (Pederneiras, treinador). Ele falou que sairíamos vitoriosos e assim foi. É uma nova história no peso-galo, subir bem tranquilo de novo. Você treina mais confiante na academia sabendo que está subindo de novo. Isso é muito bom, recomeçar com vitória.


Fonte: Combate.com

Comentários (0)

Comentar

Destaques

ver blog →

Treinador de Aspen Ladd se desculpa por postura com a atleta na luta com Norma Dumont

Maryia Agapova explica desafio a Maryna Moroz: "Ela tentou destruir a minha carreira"

Após morte de ex-lutador órgão regulatório diz que eventos de boxe sem luvas não seguem o mínimo de regras médicas

McGregor revela que UFC 257 vendeu mais de 1,5 mi em pay per view