Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Brasil fechará fronteiras aéreas para seis países da África a partir de segunda, diz Casa Civil

Decisão afetará passageiros vindos da África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue, no sul do continente africano, e é motivada por nova variante do coronavírus.

Micrografia eletrônica de transmissão de partículas do vírus SARS-CoV-2, isoladas de um paciente. (Foto: NIAID/NIH)

Por

O Brasil vai fechar as fronteiras aéreas para passageiros vindos de seis países do Sul da África a partir da próxima segunda-feira (29), informou nesta sexta (26) o ministro chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira.

A informação foi divulgada em uma rede social, e a portaria deve ser publicada em edição extra do "Diário Oficial da União" neste sábado (27). A decisão é motivada pela descoberta de uma nova "variante de preocupação" do coronavírus, chamada de ômicron (veja detalhes mais abaixo).

A restrição valerá para passageiros vindos de África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue.

De acordo com Ciro Nogueira, a decisão foi tomada em conjunto pela Casa Civil e pelos ministérios de Infraestrutura, Saúde e Justiça e Segurança Pública.

"O Brasil fechará as fronteiras aéreas para seis países da África em virtude da nova variante do coronavírus. Vamos resguardar os brasileiros nessa nova fase da pandemia naquele país. Portaria será publicada amanhã e deverá vigorar a partir de segunda-feira", disse Nogueira em rede social.

A lista de países incluídos no bloqueio é similar à divulgada pelo governo dos Estados Unidos na tarde desta sexta. A administração do presidente Joe Biden, no entanto, incluiu também os passageiros oriundos de Moçambique e do Malawi.

Variante ômicron

A B.1.1.529, agora chamada de variante ômicron, preocupa pois tem 50 mutações — algo nunca visto antes —, sendo mais de 30 na proteína S (spike) – a "chave" que o vírus usa para entrar nas células e que é o alvo da maioria das vacinas contra a Covid-19.

O virologista Tulio de Oliveira, diretor do Centro para Resposta Epidêmica e Inovação na África do Sul, que anunciou a descoberta da nova variante na quinta-feira (25), afirma que a variante ômicron carrega uma "constelação incomum de mutações" e é "muito diferente" de outros tipos que já circularam.

"Esta variante nos surpreendeu, ela deu um grande salto na evolução [e traz] muitas mais mutações do que esperávamos", afirma Oliveira, que é brasileiro. Mas ainda é cedo para dizer o quão transmissível ou perigosa é a variante — e seu efeito sobre as vacinas já desenvolvidas.

Outros países com restrições

Também nesta sexta, o Canadá proibiu a entrada de viajantes oriundos do sul da África: "Devemos agir rapidamente para proteger os canadenses", explicou o ministro da Saúde, Jean Yves Duclos em entrevista coletiva.

Na quinta-feira, o Reino Unido restringiu viagens à África do Sul e mais cinco países do continente. Nesta sexta, a Comissão Europeia propôs a suspensão dos voos do sul da África para a União Europeia.

A Alemanha anunciou que não aceitará a entrada de viajantes procedentes da África do Sul e a Itália informou a proibição de entrada em seu território de qualquer pessoa que esteve em 7 nações do sul da África nos últimos 14 dias.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Após manifestações da AGU e do STF, Conselho de Secretários de Saúde afirma que irá examinar denúncia 'de forma meticulosa'

Helicóptero cai no mar em praia de Florianópolis

Ao menos 3 estados têm cerca de 80% dos leitos de UTI para Covid ocupados; confira

Desfiles de escolas de samba serão com máscara em São Paulo