Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Nordeste

Conjunto de fósseis de mais de 110 milhões de ano é encontrado no Ceará

O anúncio foi realizado nesta quinta-feira (29). O próximo passo é realizar a descrição de todos os exemplares encontrados e depois publicar o artigo em uma revista científica.

Pesquisadores encontraram um conjunto de fósseis no município de Salitre. (Foto: Divulgação)

Por

Pesquisadores encontraram um conjunto de fósseis no município de Salitre, na região do Cariri cearense. O anúncio foi feito na noite desta quinta-feira (29). São exemplares de “camarões, peixes, conchas e um invertebrado que não conseguimos ainda identificar”, detalha a pesquisadora e professora da Universidade Regional do Cariri (Urca), Maria Edenilce Peixoto Batista.

Todos eles são datados a cerca de 110 milhões de anos. Segundo a cientista, com as últimas descobertas, já se sabe que a região há milhões de anos “era completamente diferente do que encontramos hoje. Podemos afirmar, diante dos fósseis encontrados ao longo dos últimos tempos, que o ambiente era aquático”.

A descoberta – realizada em março, mas divulgada agora – ocorreu em uma área com mais de 50 km de extensão, entre o Sítio Boa Sorte e Baixio do Mocó. Ainda segundo a professora Maria Edenilce, as peças ficarão no Museu de Geodiversidade de Salitre, equipamento que foi o principal articulador dos estudos paleontológicos na região.

“Há uma lei municipal em Salitre que garante que todo e qualquer fóssil encontrado na região, deve ficar guardado no Museu da cidade. Então, vamos fazer cumprir essa normativa”, detalhou. O Museu foi inaugurado em março de 2019.

Estudos

O conjunto de peças encontradas ainda não foi descrito. No entanto, o trabalho de identificação já teve início. “É algo detalhado, muito minucioso e leva um tempo para ser concluído”, disse a pesquisadora.

Contudo, com a pandemia, esse processo deve levar mais tempo do que o habitual. “Universitários bolsistas da Urca que atuam juntos aos pesquisadores estão com atividades presenciais suspensas e esse trabalho acaba impactado. Vamos tentar retomar em 2021, com todas as medidas de segurança”, acrescenta Edenilce.

Após ter todos os exemplares descritos, a equipe de pesquisadores escreverá um artigo a ser publicado em uma revista científica internacional “para que toda a comunidade tenha conhecimento do nosso achado”.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Eduardo Bolsonaro elogia Djokovic por não tomar vacina contra Covid

Com Covid, Olavo de Carvalho cancela transmissão de aulas online

Covid-19: Brasil recebe 2º lote de vacinas da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos

Síndrome de Burnout é reconhecida como fenômeno ocupacional pela OMS