Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

CPI Covid

CPI fez PF acelerar operação que mira supostas fraudes na gestão de Barros na Saúde

A investigação da PF mira a Global Gestão em Saúde, sócia da Precisa Medicamentos, que também é alvo da CPI por irregularidades nas negociações para a compra da vacina Covaxin.

As aquisições foram efetuadas entre 2016 e 2018, quando o atual líder do governo Bolsonaro na Câmara, o deputado Ricardo Barros (PP-PR), era ministro da Saúde. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — Um dos argumentos utilizados pela Polícia Federal para pedir busca e apreensão contra ex-funcionários do Ministério da Saúde envolvidos na compra supostamente fraudulenta de medicamentos de alto custo foi a CPI da Covid.

As aquisições foram efetuadas entre 2016 e 2018, quando o atual líder do governo Bolsonaro na Câmara, o deputado Ricardo Barros (PP-PR), era ministro da Saúde. As compras teriam causado um prejuízo de cerca de R$ 20 milhões pela falta de entrega dos medicamentos.

Segundo a PF, a exposição pela CPI de servidores que prestaram depoimento na investigação, entre eles Luis Ricardo Miranda, irmão do deputado Luis Miranda (DEM-DF), poderia comprometer a preservação de provas.

"As revelações da CPI da Pandemia efetuadas por um dos servidores do Ministério da Saúde ouvidos neste inquérito, Luís Ricardo Miranda, passaram a receber contínua exposição na mídia, fato que colocaria em risco a preservação das provas que ainda possam existir", diz trecho da decisão do juiz Frederico Botelho de Barros Viana, da 10ª Vara Federal em Brasília.

A PF cumpriu 15 mandados de busca na terça (21) para aprofundar a investigação sobre a compra dos medicamentos Aldurazyme, Fabrazyme, Myozyme, Elaprase e Soliris/Eculizumabe. Uma das suspeitas é que os problemas na entrega teriam causado a morte de 14 pacientes.

A investigação da PF mira a Global Gestão em Saúde, sócia da Precisa Medicamentos, que também é alvo da CPI por irregularidades nas negociações para a compra da vacina Covaxin.

A Global assinou o contrato para a venda de medicamentos de alto custo ao governo federal, diz a PF, mesmo sem ter autorização da fabricante para comercializar os produtos.

A PF recolheu indícios de que as compras não foram canceladas mesmo após denúncias de irregularidades feitas por servidores e pagamentos antecipados à Global foram efetuados mediante pressão do diretor de Logística à época, Davidson Tolentino, e do então ministro Ricardo Barros.

Após a operação da PF, Ricardo Barros afirmou por meio de nota que não "se comprovará qualquer irregularidade" em sua gestão no Ministério da Saúde e que as compras foram feitas dentro das regras e tiveram decisões favoráveis na Justiça.

A Global, por meio de seus advogados, disse que a operação da PF reproduz o modus operandi da Lava Jato "ao usurpar competência do Supremo Tribunal Federal" e "investigar fatos antigos" com o "objetivo de conseguir os holofotes da imprensa".

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Secretários de Guedes pedem demissão após manobra para abrir espaço no teto de gastos

Ao menos 16 tubarões foram vistos em Balneário Camboriú desde agosto

Governo de Rondônia proíbe uso da linguagem neutra em escolas públicas e privadas

Nova regra do teto é incluída em PEC dos Precatórios e pode ser votada nesta quinta