Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Esquema

Ex-deputado é preso em operação que investiga esquema de 'rachadinhas'

Silas é o primeiro político preso acusado de participar de um esquema de "rachadinha".

De acordo com a denúncia do MP, aceita pela Justiça, Silas Bento embolsou a maior parte do salário de uma servidora por dois anos. (Foto: Reprodução)

Por

O ex-deputado estadual do Rio de Janeiro, Silas Bento, e o filho dele, Vanderson Bento (PTB), foram presos na manhã desta sexta-feira (23) em uma operação do Ministério Público que apura um esquema de "rachadinha" no gabinete do ex-parlamentar na Assembleia Legislativa do estado (Alerj). As prisões foram em Cabo Frio, na Região dos Lagos.

Silas é o primeiro político preso acusado de participar de um esquema de "rachadinha". Esta investigação não teve como base o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financerias (Coaf), que originou procedimentos de investigação por causa de supostas rachadinhas de outros parlamentares da Alerj, como o caso do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

De acordo com a denúncia do MP, aceita pela Justiça, Silas Bento embolsou a maior parte do salário de uma servidora por dois anos. Ele se tornou réu por associação criminosa, peculato, extorsão e lavagem de dinheiro. Vanderson, que é candidato a vereador, virou réu pelos mesmos crimes, exceto lavagem de dinheiro.

O advogado de Silas e Vanderson, Adolpho Jabour, informou que assim que tiver acesso aos autos, vai se posicionar e tentar a reversão da prisão preventiva.

Funcionária fantasma devolveu 80% do salário
A investigação aponta que a funcionária Taíssa Saldanha Alves, que admitiu ser fantasma - ou seja, não aparecia para trabalhar - era obrigada a devolver parte do salário e era ameaçada na hora da arrecadação, que era feita pelo filho do parlamentar.

Em dois anos, ela disse que recebeu cerca de R$ 250 mil de salário, pagos pelos cofres da Alerj. A investigação revelou que, deste montante, 80% foi devolvido ao então deputado no esquema de rachadinha.

A servidora também é alvo de mandado de busca e apreensão na operação desta sexta-feira. Ela também é ré por associação criminosa e peculato, que é desvio de dinheiro público.

A Vara Criminal determinou que ela compareça mensalmente ao juízo para informar suas atividades, não mantenha contato com Silas e Vanderson, e não se ausente de Cabo Frio por mais de 10 dias.

O G1 tenta contato com a defesa da ex-servidora, mas até as 9h não havia obtido resposta.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Bolsonaro veta CPMF e governo quer que Guedes deixe Congresso com ônus de buscar reforma tributária

Governo prevê nove privatizações em 2021, entre as quais Correios e Eletrobras

Região Noroeste do RS registra surto de gafanhotos; espécie se alimenta de mata nativa

Conta paga a Itaipu financia estradas, sede do Itamaraty e até vitrais