Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

A generais Bolsonaro repete 'meu Exército' e diz que ele e militares sempre irão agir dentro da Constituição

O presidente também voltou a usar a expressão "meu Exército", que gerou críticas por ser interpretada como uma tentativa de politizar a instituição.

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — Em discurso em cerimônia de promoção de oficiais-generais, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quinta-feira (8) que o Exército representa "uma estabilidade" para o Brasil e que atua "dentro das quatro linhas da Constituição".

O presidente também voltou a usar a expressão "meu Exército", que gerou críticas por ser interpretada como uma tentativa de politizar a instituição.

"O nosso Exército, tradição, o nosso Exército de respeito, de orgulho, bem como reconhecido por toda nossa população, representa para o nosso Brasil uma estabilidade. Nós atuamos dentro das quatro linhas da nossa Constituição. Devemos e sempre agiremos assim. Por outro lado, não podemos admitir quem por ventura queira sair deste balizamento".

"Agradeço ao meu Exército brasileiro, o qual ainda integro, ao nosso Exército brasileiro, por este momento. Temos certeza que venceremos os desafios e cada vez mais colocaremos o Brasil no local de destaque que ele bem merece", disse Bolsonaro, em outro momento de seu pronunciamento.

A fala do mandatário ocorre na esteira da maior crise militar registrada desde a redemocratização do país.

A crise foi deflagrada com a decisão de Bolsonaro de demitir Fernando Azevedo e Silva do comando do MInistério da Defesa. No lugar, Bolsonaro nomeou o ex-ministro da Casa Civil, general Walter Braga Netto.

Segundo interlocutores, o agora ex-ministro da Defesa vinha resistindo a pressões de Bolsonaro por um maior apoio das Forças Armadas na defesa de medidas do governo, principalmente na oposição a políticas de distanciamento social adotadas por governadores e prefeitos.

Além do mais, Azevedo vinha bloqueando as investidas do presidente pela saída do general Edson Pujol do comando do Exército.

Como resultado da demissão de Azevedo, Pujol — que participou da cerimônia desta quinta — e os comandantes da Marinha e da Aeronáutica também anunciaram que deixariam seus postos.

Parte expressiva da cúpula do Exército ainda está ressentida com as trocas efetuadas pelo Palácio do Planalto.

A carta de demissão de Azevedo, em que ele argumenta ter preservado as Forças Armadas como "instituição de Estado, também foi interpretada como uma tentativa de Bolsonaro de aprofundar a politização dos militares, o que gerou novas críticas contra o mandatário.

Para tentar evitar o adensamento da crise, Bolsonaro decidiu respeitar critérios de antiguidade na escolha dos novos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

Ainda em seu discurso nesta quinta-feira, Bolsonaro disse que é "muito bom e confortável" ser o "chefe supremo das Forças Armadas" tendo a seu lado os membros dessas instituições.

"Os momentos são difíceis. Vivemos uma fase um tanto quanto imprecisa, mas temos a certeza pelo nosso compromisso, pela nossa tradição, sempre teremos como lema a nossa bandeira verde e amarela; e a nossa perfeita sintonia com os desejos da nossa população. Assim agiremos", declarou.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Fragmento de mariposa é a causa das lesões de pele que provocam coceira em Pernambuco

Polícia Militar mata oito suspeitos de integrar quadrilha de novo cangaço

Pelé é internado para continuar tratamento de tumor do cólon em São Paulo

Vacina da Pfizer neutraliza ômicron com 3 doses, diz empresa