Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Crime

Noivos passam mal antes do casamento, e ex-namorada é suspeita de envenenar casal

A cerimônia civil ocorreria na sexta-feira (24), e a religiosa, neste sábado (25).

O casal teria sido envenenado pela ex-companheira do homem (Foto: Reprodução)

Por

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Dione Quirino, 35, e Amanda Cássia Lopes, 27, se casariam neste fim de semana em Jaíba (MG), a 620 quilômetros de Belo Horizonte. A cerimônia civil ocorreria na sexta-feira (24), e a religiosa, neste sábado (25).

Na quinta (23), enquanto almoçavam com a irmã de Amanda, sua mãe e uma sobrinha, os noivos receberam uma caixa com bombons e taças de champanhe. Parecia um presente inofensivo e adequado para a ocasião.

Quando comeram as guloseimas, porém, tiveram uma surpresa ingrata. "O pessoal consumiu quatro bombons e, logo depois, todos começaram a passar mal", diz o delegado Marconi Vieira, da Polícia Civil de Minas Gerais.

O cachorro, que também teria comido um pedaço de bombom, morreu na hora. Os noivos e seus familiares, incluindo uma criança de dois anos, foram levados para o hospital.

A polícia considera a hipótese de envenenamento. Na sexta, a ex-companheira de Dione foi presa sob a suspeita de praticar o crime. O nome dela não foi revelado.

Durante as investigações, a polícia descobriu que os bombons foram entregues por um táxi de Janaúba, a 70 quilômetros de Jaíba. O delegado Vieira diz que o motorista foi contratado por um mototaxista do mesmo município, que recebeu R$ 5 de uma mulher para fazer o serviço.

Ao ser ouvido pelos agentes, o mototaxista apontou as características da ex-companheira de Dione. Com base em análise de câmeras de segurança, em parceria com a Polícia Militar, as investigações reconstituíram todo esse processo e identificaram a suspeita.

"As filmagens mostram a mulher com a encomenda em uma bolsa preta andando pela cidade, procurando o mototaxista e entregando a encomenda para ele", diz o delegado. "Depois, ela pega um táxi de Verdelândia, cidade onde a ex-companheira de Dione reside."

As imagens foram levadas para perícia e, com base nos resultados, um mandado de prisão foi expedido no início da noite de sexta. A suspeita foi encontrada na casa de sua mãe. Em seguida, a polícia cumpriu mandado de busca e apreensão na casa da ex-companheira de Dione.

Segundo a polícia, as vítimas contaram que a ex-companheira não aceitava o fim do relacionamento com Dione, e muito menos o seu noivado com outra mulher. A versão teria sido confirmada por testemunhas.

A própria suspeita disse ao delegado que Amanda foi a causa do fim de sua ligação com Dione.

"Toda vez que eu perguntava se ela envenenou os bombons, ela olhava para o chão e ficava calada", afirma Vieira. Ele diz que espera concluir as investigações em breve. Dois bombons que restaram foram levados para análise.

Amostras de sangue e urina das vítimas, além de órgãos do cachorro morto, também serão analisadas. Vieira ainda pediu exame grafológico de um bilhete que foi enviado junto com a encomenda, contendo o endereço de entrega, que será comparado com a letra encontrada em cadernos da suspeita.

As quatro vítimas adultas permanecem em observação e devem receber alta na segunda (27), segundo o delegado. A criança já deixou o hospital da cidade.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Polícia Federal faz buscas para apurar fraudes na superintendência do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro

Bolsonaro critica TSE e diz que ação sobre cassação de chapa deveria ser arquivada sem julgamento

CPI Covid: PGR pretende fatiar relatório para ações em curso no Ministério Público Federal

Câmara retoma trabalhos presenciais com passaporte sanitário, mas sem distanciamento rígido