Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Paulo Guedes tira duas semanas de férias

As férias do ministro serão iniciadas imediatamente, com encerramento no dia 8 de janeiro.

No início do mês, o Diário Oficial informou que Guedes sairia de férias a partir de 18 de dezembro. No dia 19, no entanto, a decisão foi revogada. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — Depois de cancelar as férias que havia marcado para o fim deste ano, o ministro Paulo Guedes (Economia) decidiu novamente sair para um período de descanso, que terá duração de duas semanas.

A autorização concedida pelo presidente Jair Bolsonaro foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira (28). As férias do ministro serão iniciadas imediatamente, com encerramento no dia 8 de janeiro.

No início do mês, o Diário Oficial informou que Guedes sairia de férias a partir de 18 de dezembro. No dia 19, no entanto, a decisão foi revogada.

Além das férias Guedes, o DO informa o período de descanso do ministro da Justiça, André Mendonça, de 23 a 31 de dezembro, e do ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), entre 4 e 11 de janeiro. Nesta segunda, Bolsonaro viajará para o Guarujá, onde passará a virada do ano, com previsão de retorno até o domingo (3).

Após o cancelamento anterior, o Ministério da Economia afirmou não haver motivo específico para a interrupção e informou que o ministro havia decidido seguir trabalhando em Brasília na semana do Natal.

De acordo com auxiliares do ministro, a decisão inicial pelas férias a partir do dia 18 havia sido tomada porque ele acreditava que os trabalhos do Congresso neste ano seriam encerrados.

O recuo teria ocorrido porque os parlamentares seguiram com votações em plenário. Na terça-feira (22), por exemplo, a Câmara aprovou a medida que libera mais recursos para o Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), que oferece crédito como forma de socorro a pequenos negócios. No mesmo dia, os deputados aprovaram o texto-base do projeto que faz alterações no mercado cambial brasileiro.

Para justificar o período de descanso, o ministro disse a interlocutores que não tirou nenhum dia de férias desde a eleição do presidente Jair Bolsonaro em outubro de 2018. O ministro, que tem 71 anos, argumentou que trabalha de domingo a domingo com jornadas que superam 12 horas por dia.

Ao retornar do descanso, Guedes terá de lidar com a paralisia da agenda econômica. Propostas tidas como prioritárias para o governo não avançaram no fim do ano e devem ficar apenas para fevereiro.

O pacotaço fiscal para controlar despesas públicas foi colocado na geladeira. Sem as medidas de ajuste, o governo começa o ano que vem sem espaço significativo no Orçamento para aumentar de forma relevante o tamanho de programas sociais.

O ministro encontrará ainda pendente a votação do próprio Orçamento de 2021, que está previsto somente para o ano que vem. Enquanto o texto não for aprovado, o governo tem autorização para gastar mensalmente 1/12 avos do previsto para o ano.

A reforma administrativa, que revê gastos com servidores, também não andou desde que foi enviada ao Congresso no começo de setembro.

Paralelamente à paralisia da agenda, o governo assiste ao aumento dos casos do coronavírus e aumento do risco de fechamento de atividades por parte de governadores e prefeitos.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Secretários de Guedes pedem demissão após manobra para abrir espaço no teto de gastos

Ao menos 16 tubarões foram vistos em Balneário Camboriú desde agosto

Governo de Rondônia proíbe uso da linguagem neutra em escolas públicas e privadas

Nova regra do teto é incluída em PEC dos Precatórios e pode ser votada nesta quinta