Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Pesquisa mostra desempenho de Bolsonaro contra Huck, Moro e Doria

Levantamento exclusivo VEJA/FSB avaliou cinco cenários da disputa presidencial de 2022

O Instituto FSB Pesquisa entrevistou, por telefone, 2.000 eleitores com idade a partir de 16 anos, nos 26 estados e no Distrito Federal, entre os dias 7 e 10 de fevereiro. (Foto: Reprodução)

Por

O presidente Jair Bolsonaro ampliou a vantagem sobre os seus prováveis rivais no primeiro turno da eleição presidencial de 2022, mostra a nova pesquisa eleitoral exclusiva VEJA/FSB. Ele oscilou para cima, no limite da margem de erro de dois pontos porcentuais – de 33% para 37% -, enquanto outros presidenciáveis ficaram estagnados.

Seu principal perseguidor no cenário mais provável neste momento é o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), que oscilou negativamente de 15% para 13%, ou seja, dentro da margem de erro. 

O petista está empatado tecnicamente com o apresentador Luciano Huck (sem partido), com 12%, e o ex-governador Ciro Gomes,(PDT), com 11%, que mantiveram seus porcentuais da pesquisa anterior. Todos eles ficam numericamente abaixo da opção “nenhum”, que tem 16% das preferências.

Também estagnados, mas bem abaixo dos demais, estão o empresário João Amoêdo (Novo), com 4%, e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com 3% – veja quadros abaixo.

Em outro cenário, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato do PT, a vantagem de Bolsonaro cai consideravelmente – ele ficaria com 31% das intenções de voto contra 28% do petista, o que configura empate técnico e reafirma as conclusões de pesquisas anteriores do instituto: Lula é o adversário que mais ameaça a reeleição de Bolsonaro. A situação é a mesma da pesquisa de dezembro, quando eles ostentavam, respectivamente, taxas de 32% e 29%. Em um segundo turno, Bolsonaro teria hoje 45% das preferências contra 40% do ex-presidente.

Apesar de ainda alimentar o sonho de ser candidato de uma frente de esquerda em 2022, Lula está atualmente inelegível porque é enquadrado na Lei da Ficha Limpa, que barra candidaturas de quem tenha sido condenado em segunda instância. O petista foi sentenciado a 8 anos e 10 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em processo da Operação Lava Jato relativo a um tríplex no Guarujá, que teria sido pagamento de propina pela construtora OAS. Ele está em liberdade porque o Supremo Tribunal Federal mudou seu entendimento no ano passado e determinou que a execução de pena de prisão só pode ocorrer após o trânsito em julgado, ou seja, quando não houver mais possibilidade de recurso.

Em um segundo turno sem Lula, Bolsonaro venceria com folga Haddad (51% a 33%) e Doria (50% a 25%), mas teria uma disputa mais apertada com Huck (45% a 37%) e ficaria numericamente atrás de Moro (39% para o ministro da Justiça e 37% para o presidente). O ex-juiz da Lava Jato é o ministro mais bem avaliado do governo, com 29% – o segundo colocado, Paulo Guedes (Economia), vem bem atrás, com 6%.

Pesa a favor de Bolsonaro o fato de ter a menor rejeição (44% não votariam nele de jeito nenhum) se comparado com os candidatos de oposição – Haddad tem 57%, Lula, 54%, Ciro, 54%, e Doria, 51%, O nome menos rejeitado é o de Sergio Moro, com 31%. Outro ponto que ajuda o atual presidente é que a avaliação do seu governo melhorou. Segundo a pesquisa, o índice dos que consideram sua gestão ótima ou boa é de 36% contra 31% em dezembro, uma variação fora da margem de erro. Já a taxa dos que avaliam a sua administração como ruim ou péssima é de 31% contra 35% na pesquisa anterior.

Para o analista político do Instituto FSB Pesquisa, Alon Feuerwerker, a melhora na avaliação deve-se à percepção de que o governo trabalha bem para combater o desemprego. A pesquisa mostra que 24% da população consideram que esta foi a área que mais melhorou desde o início do governo – em outubro, o índice era de 14%. “A melhora na avaliação certamente corresponde à percepção de que a situação, se não melhorou suficientemente, parou de piorar. É um termômetro de uma situação de alívio e o governo se beneficia disso”, disse a VEJA.

O Instituto FSB Pesquisa entrevistou, por telefone, 2.000 eleitores com idade a partir de 16 anos, nos 26 estados e no Distrito Federal, entre os dias 7 e 10 de fevereiro. A margem de erro do levantamento é de 2 pontos porcentuais, para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Lei do xixi multa 24 foliões no Carnaval de rua de SP

Navio com dois suspeitos de coronavírus atraca em Santos nesta segunda

Cresce aprovação do governo Jair Bolsonaro em fevereiro, diz pesquisa da Veja

Em bloco, Haddad elogia secretário da Cultura da gestão Covas e volta a negar candidatura