Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Sem cumprir meta, Mourão diz que redução do desmatamento deve ser muito irrisória

"É uma redução muito pequena, muito irrisória, mas já é um caminho andado", disse o vice, ao chegar ao gabinete da vice-presidência, em Brasília.

A expectativa de Mourão era registrar uma diminuição mais significativa do desmatamento no bioma para enviar um sinal de compromisso do governo Jair Bolsonaro (sem partido) com o combate a ilícitos ambientais. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) afirmou nesta segunda-feira (2) que a redução do desmatamento anual na Amazônia do atual ciclo deve ser "muito irrisória" e que o país não deve conseguir atingir a meta de diminuir a atividade em 10%, como ele havia anunciado.

"Fechou o ciclo [medido pelo Prodes] no dia 31 de julho. Provavelmente não vou cumprir aquilo que eu achava que seria o nosso papel, de chegar a 10% de redução [do desmatamento]. Acho que vai dar na faixa de 4 a 5% [de redução]. É uma redução muito pequena, muito irrisória, mas já é um caminho andado", disse o vice, ao chegar ao gabinete da vice-presidência, em Brasília.

O Prodes (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite), do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), produz as taxas anualizadas de desmatamento por corte raso na Amazônia. A apresentação oficial da estimativa dos dados ocorre no final do ano.

A expectativa de Mourão era registrar uma diminuição mais significativa do desmatamento no bioma para enviar um sinal de compromisso do governo Jair Bolsonaro (sem partido) com o combate a ilícitos ambientais.

O avanço da desflorestação se converteu no principal problema para Bolsonaro na arena internacional, com EUA e países europeus pressionando o Brasil por maior comprometimento nessa área.

A meta, no entanto, encontra obstáculos na retórica antiambiental de Bolsonaro e no enfraquecimento de agências ambientais, Ibama e ICMBio.

No final de junho, Bolsonaro renovou por mais dois meses a operação de emprego de militares na Amazônia para o combate a crimes ambientais. O prazo da chamada GLO (Garantia da Lei e da Ordem) vai até 31 de agosto.

O governo Bolsonaro tem recorrido às Forças Armadas para ações de fiscalização na Amazônia desde a onda de queimadas registrada no bioma em 2019.

Até este ano, as pressões internacionais vinham principalmente da Europa, mas a situação mudou com a chegada de Joe Biden ao governo dos EUA, em janeiro.

Biden colocou o combate às mudanças climáticas como prioridade de sua agenda e se juntou aos europeus nas gestões junto ao Brasil para conseguir uma redução no desmatamento.

Questionado nesta segunda, Mourão disse que no momento não é necessário uma nova prorrogação da GLO.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

DJ Ivis tem liberdade concedida pela Justiça cearense após ser preso por agressão à ex-mulher Pamella Holanda

Filiação de Moro ao Podemos é marcada para 10 de novembro

Governo deve se reunir com caminhoneiros na próxima semana

Guedes diz que ala política fez pescaria e sondou colocar Mansueto no seu lugar