Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Cinema

Editoria sobre Cinema ir para editoria →

Cinema

Família Gucci critica filme de Ridley Scott: “Distante da verdade”

Em comunicado assinado pelos herdeiros de Aldo Gucci e divulgado pela agência italiana ANSA, família reclama do modo como o fundador da grife foi retratado no filme.

Lady Gaga estrela o filme "Casa Gucci", de Ridley Scott (Foto: Universal Pictures/Divulgação)

Por

Os herdeiros da marca de luxo italiana Gucci emitiram uma nota com duras críticas ao filme “Casa Gucci”, dirigido por Ridley Scott e estrelado por Lady Gaga e Adam Driver.

Publicado pela agência de notícias italiana ANSA, o comunicado afirma que a produção “não se preocupou em consultar os herdeiros antes de descrever Aldo Gucci e os membros da família como bandidos, ignorantes e insensíveis ao mundo ao seu redor.”

Lançado no Brasil na última quinta-feira (25), o filme é baseado na história de Patrizia Reggiani, ex-mulher de Maurizio Gucci, ex-diretor e herdeiro da grife. Os dois passaram por um divórcio turbulento que culminou na morte de Maurizio em 1992.

Alguns anos depois, a socialite foi condenada a 30 anos de prisão, considerada culpada como mandante do assassinato do ex-marido.

Na nota, a família Gucci se diz especialmente perturbada pela maneira como o filme construiu a personagem de Patrizia Reggiani.

Os herdeiros apontam “os tons indulgentes para com uma mulher que, efetivamente condenada por ter facilitado o assassinato de Maurizio Gucci, é retratada não só no filme, mas também nas falas dos membros do elenco, como uma vítima tentando sobreviver em uma cultura corporativa machista”.

A família argumenta que a acusação seria injusta, pois a marca teria promovido uma cultura de igualdade de gênero, com mulheres ocupando uma série de cargos importantes “exatamente na década de 1980 – o contexto histórico em que o filme se passa”.

Apesar de não ter mais envolvimento direto com a grife de luxo italiana – propriedade da companhia francesa Kering -, a família Gucci ressaltou sua preocupação em proteger a reputação dos herdeiros da marca.

“Gucci é uma família que honra o trabalho de seus ancestrais, cujas memórias não merecem ser perturbadas em nome de um espetáculo falso e injusto”, criticam.

Sem ações legais anunciadas até o momento, a nota deixa a possibilidade em aberto: “A família Gucci reserva-se o direito de tomar qualquer iniciativa para proteger seu nome e imagem, assim como os de seus familiares.”

Na semana passada, no entanto, Ridley Scott rebateu as acusações feitas há vários meses por Patrizia Gucci, prima de Maurizio, de que o filme estaria “roubando a identidade de uma família para gerar lucro e aumentar a receita de Hollywood”.

Em entrevista ao programa Today, da BBC, Scott se posicionou: “Eu não me envolvo com isso. Temos que lembrar que um Gucci foi assassinado e outro foi preso por sonegação de impostos, então não vamos falar sobre lucro. Quando você faz esse tipo de coisa, você se torna parte do domínio público”, defendeu o diretor.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Tom Cruise diz que jamais deixaria 'Top Gun' estrear no streaming em Cannes

Amber Heard diz que Johnny Depp a 'enforcou' com camisa durante Lua de Mel

Teatro Municipal de Campina Grande recebe Circuito Audiovisual Secult com mais quatro filmes de cineastas campinenses

Cineasta Breno Silveira morre de infarto aos 58 anos durante filmagem em Pernambuco