Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Economia

Editoria sobre Economia ir para editoria →

Economia

Dólar fecha em queda nesta sexta e cai a R$ 5,12

Moeda norte-americana recuou 0,32%; no acumulado da semana, queda foi de 3,79%.

"Vemos uma janela de oportunidade para aumento de otimismo em relação aos ativos brasileiros nos próximos meses", disseram analistas do Barclays em nota. (Foto: Reprodução)

Por

O dólar fechou em queda nesta sexta-feira (4), depois de passar a maior parte do dia em alta, tendo como pano de fundo o apetite global por risco diante da confiança na retomada econômica.

A moeda norte-americana caiu 0,32%, a R$ 5,1236. Na mínima da sessão, chegou chegou a R$ 5,1171 e, na máxima, bateu R$ 5,1839. Veja mais cotações. É o menor patamar de fechamento desde 22 de julho (R$ 5,1161).

Na semana, o dólar caiu 3,79%. Na parcial de dezembro, passou a acumular um recuo de 4,17%. No ano, porém, o avanço ainda é de 27,78%.

Cenário local e externo

A moeda brasileira tem a melhor performance entre seus pares emergentes desde 3 de novembro, data da eleição norte-americana, com expectativa de que o presidente recém-eleito, Joe Biden, amplie gastos para turbinar a retomada - o que pode fortalecer um já em curso movimento de compra de ativos emergentes.

"Vemos uma janela de oportunidade para aumento de otimismo em relação aos ativos brasileiros nos próximos meses", disseram analistas do Barclays em nota.

O JPMorgan projeta que o dólar subirá gradativamente para R$ 5,30 ao fim do segundo trimestre de 2021 e para R$ 5,35 e R$ 5,40 nos trimestres posteriores, taxas mais altas que a prevista para o término de março (R$ 5,15).

Lá fora, sinais de progresso na aprovação de um novo estímulo fiscal nos Estados Unidos ajudaram a manter um maior otimismo dos mercados na retomada da economia global em um ambiente de farta liquidez.

Por aqui, a inflação dos mais pobres acelera alta a 0,95% em novembro, segundo a Fundação Getúlio Vargas. Com o resultado, o Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1) acumula alta de 4,85% no ano e 5,82% nos últimos 12 meses.

Em Brasília, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou a favor de uma tese jurídica que, na prática, viabiliza a reeleição dos atuais presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O foco dos mercados nesta reta final do ano segue voltado para a sustentabilidade fiscal do Brasil e as incertezas sobre a aprovação de medidas e reformas estruturais para garantir a saúde das contas públicas.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Dólar é cotado a R$ 5,3128 nesta quinta-feira

Dólar fecha em queda de 0,61% com posse de Biden e dia de decisão do Copom

Governo libera pagamento do Garantia-Safra para agricultores familiares da Paraíba

Dólar é cotado a R$ 5,3456 nesta quarta-feira