Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Economia

Editoria sobre Economia ir para editoria →

Economia

Economia cresce 1,14% em junho após queda em maio, diz indicador do Banco Central

O número superou as expectativas do mercado. Economistas consultados pela Reuters esperavam crescimento de 0,4%.

O número é calculado com ajuste sazonal, que remove especificidades de um mês, como número de dias úteis, para facilitar a comparação com outros períodos. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — A economia cresceu 1,14% em junho, de acordo com o indicador IBC-Br do BC (Banco Central), que mede o desempenho da atividade econômica, divulgado nesta sexta-feira (13). No ano, o índice acumula alta de 7,01%.

O número superou as expectativas do mercado. Economistas consultados pela Reuters esperavam crescimento de 0,4%.

O resultado positivo veio após queda de 0,55% em maio. Os dados podem ser diferentes dos informados anteriormente porque a série passa por revisões frequentes.
No acumulado dos 12 meses até junho, o setor produtivo avançou 2,33%.

Em março deste ano, mês marcado por novas rodadas de lockdowns em razão do agravamento da pandemia de Covid-19, a economia encolheu 1,98%, segundo o indicador, mas voltou a crescer em abril, com 0,90%.

O número é calculado com ajuste sazonal, que remove especificidades de um mês, como número de dias úteis, para facilitar a comparação com outros períodos.

Após o início da pandemia, o fechamento dos comércios e o distanciamento social afetaram a economia. Com a reabertura e flexibilização das medidas restritivas, a atividade entrou em ritmo de recuperação, que foi novamente impactado com os novos lockdowns.

Em março do ano passado, quando o vírus chegou ao país, houve redução de 5,90% no setor produtivo, segundo informado na época, já sob efeito do distanciamento social. Após a última revisão, a variação foi para queda de 4,84%.

O pior resultado foi registrado em abril de 2020, quando a economia caiu 9,73% (9,50% com revisão), nível mais baixo desde outubro de 2006 e maior queda entre um mês e outro em toda a série histórica, iniciada em 2003.

O IBC-Br mede a atividade econômica do país e é divulgado desde março de 2010. Ele foi criado para auxiliar em decisões de política monetária, já que não existe outro dado mensal de desempenho do setor produtivo.

O indicador do BC leva em conta o desempenho dos principais setores da economia: indústria, agropecuária e serviços.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Paulo Guedes: 'Em nenhum momento eu pedi demissão, em nenhum momento o presidente insinuou'

Bolsa recua 3,4% com especulação sobre Guedes; dólar sobe a R$ 5,72

Paulo Guedes defende auxílio de R$ 400 mesmo furando teto de gastos

Paraíba tem 5ª maior taxa do Brasil de sobrevivência de estabelecimentos iniciados em 2009