Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Economia

Editoria sobre Economia ir para editoria →

Economia

Guedes diz que energia mais cara neste ano evita crise em 2022

Guedes disse que o plano do ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) faz uma redistribuição de energia no tempo para evitar uma situação mais grave.

O ministro não explicou o motivo de 2022, ano de eleições presidenciais, ser classificado como crítico. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou nesta quarta-feira (14) que a adoção das cobranças adicionais nas contas de energia elétrica neste ano antecipou o choque da crise hídrica na economia e evitou uma crise maior em 2022 — ano de eleição —, classificado por ele como "um ano crítico".

Em live promovida pelo jornal Valor Econômico, Guedes disse que o plano do ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) faz uma redistribuição de energia no tempo para evitar uma situação mais grave.

"O ministro Bento preferiu se antecipar e, em vez de deixar chegar o ano que vem, que é um ano crítico, quando aí sim os reservatórios poderiam estar abaixo de 10% e virar uma crise hídrica irrecorrível, aparentemente, o que o ministro nos diz é que usando a bandeira desde já, você faz uma redistribuição da energia de um ano para o outro", disse.

O ministro não explicou o motivo de 2022, ano de eleições presidenciais, ser classificado como crítico.

"Em vez de chegar no ano que vem sem energia, usando recursos de baixo custo neste ano, era melhor acionar a bandeira vermelha ou amarela em alguns ambientes. Você usa um pouco mais de termoelétrica e de energia de combustível mais cara, antecipa um pouco esse choque energético em vez de ter no ano que vem", afirmou Guedes.

Em junho, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) subiu em 52% o valor da bandeira vermelha nível 2, passando a R$ 9,49 por cada 100 kWh (quilowatts-hora consumidos). Segundo a FGV (Fundação Getulio Vargas), a medida representará um aumento médio de 8,12% na conta de luz.

Na semana passada, reunião da Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (CREG) confirmou o reajuste das tarifas das bandeiras de energia. Ficou definido que, por meio de uma consulta pública, a agência irá avaliar um novo reajuste para a bandeira vermelha patamar 2.

A elevação de custos da energia elétrica está pressionando os índices de inflação deste ano. Nesta quarta, o governo elevou a estimativa para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) em 2021 de 5,05% para 5,9%. O valor supera o teto da meta a ser perseguida pelo Banco Central em 2021, de 5,25%.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Paraíba registra a menor produção de abacaxi em dez anos, mas permanece como 2º maior produtor do país

Imposto de Renda 2021: Receita libera hoje consulta ao 5º lote de restituição

Caixa paga nesta quarta sexta parcela do auxílio emergencial para nascidos em fevereiro

Venda de marmitas saudáveis vira opção de renda para tempos de crise