Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Economia

Editoria sobre Economia ir para editoria →

Economia

Renegociações de dívidas com bancos quase quintuplicam em menos de dois meses

O último levantamento feito pelos bancos, em 7 de abril, registrava 2 milhões de pedidos de renegociação de dívidas, que respondiam por R$ 200 bilhões.

O adiamento dessas dívidas é tratado pelos bancos como uma renegociação de contratos. (Foto: Reprodução)

Por

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — O volume de contratos renegociados nos bancos quase quintuplicou em pouco mais de um mês e meio. Segundo dados da Febraban (Federação Brasileira de Bancos) as instituições financeiras renegociaram 9,7 milhões de acordos — o equivalente a um saldo devedor de meio trilhão de reais (R$ 550 bilhões) — de 1º de março a 22 de maio.

O último levantamento feito pelos bancos, em 7 de abril, registrava 2 milhões de pedidos de renegociação de dívidas, que respondiam por R$ 200 bilhões.

A renegociação de contratos faz parte de uma medida anunciada em março pela Febraban e que consistia em adiar os vencimentos de dívidas de clientes pessoas físicas e micro e pequenas empresas por até 60 dias. Com a extensão da crise ante a pandemia do coronavírus, alguns bancos estenderam o prazo de carência para 180 dias.

O adiamento dessas dívidas é tratado pelos bancos como uma renegociação de contratos.

O acordo vale para acordo vigentes e com pagamento em dia. Caso o banco queira estender o benefício para contratos atrasados, pode fazê-lo. Mas isso depende dos critérios estabelecidos por cada banco.

Ainda segundo a Febraban, as concessões totais de crédito para o período -incluindo contratações, renovações e suspensão de parcelas — somam R$ 914,2 bilhões no período.

O número inclui as concessões totais do sistema financeiro entre março e abril de R$ 692,1 bilhões, divulgadas na última quinta-feira (28) pelo Banco Central, e outros R$ 222,1 bilhões contabilizados pela Febraban no mês até 22 de maio, e que consideram apenas as operações no segmento livre de crédito.

Segundo a federação, a taxa de juros total média caiu 1,6 p.p. (ponto percentual) entre fevereiro e março, para 21,5%. O spread bancário (diferença entre o custo de captação e a taxa cobrada no empréstimo) caiu 1,4 p.p., para 17,2 p.p..

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Caixa Econômica Federal libera saque da primeira parcela do auxílio para nascidos em junho

Pesquisa revela que 82% dos supermercados fiscalizados pelo MP-Procon cumprem medidas de higiene e segurança

Inflação de 2,13% leva a menor aumento do teto de gastos em 2021

Sancionada lei que suspende pagamento de parcelas do Fies