Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Educação

Editoria sobre Educação ir para editoria →

Benefícios

Pesquisadora da UFPB diz que nicotina pura pode melhorar atenção e memória

O foco da pesquisa é observar se a nicotina, separadamente, pode servir como fator protetivo; se há diferença em quantidades diversificadas, que podem variar entre 2mg e 4mg.

A pesquisa deve ser concluída em um ano. Pessoas não fumantes com idade entre 18 a 45 anos podem ser voluntárias. (Foto: Pixabay/Ilustrativa)

Por

Após constatar que fumar pode prejudicar a visão, a pesquisadora Natália Almeida, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), disse que a nicotina pura pode melhorar a atenção e memória. A pesquisa está sendo desenvolvida em parceria com o doutorando Thiago Fernandes, no Laboratório de Percepção, Neurociência Cognitiva e Comportamento (LPNeC) da instituição, no campus I, em João Pessoa.

“Alguns estudos mostraram que a nicotina pura tem fator neuroprotetivo, ou seja, melhora a atenção e a memória. O foco da pesquisa é observar se a nicotina, separadamente, pode servir como fator protetivo; se há diferença em quantidades diversificadas, que podem variar entre 2mg e 4mg. Isso poderá, inclusive, ajudar a perceber de forma mais detalhada quais componentes do cigarro prejudicam ou não a visão”, conta a pesquisadora.

Ela relata que "na pesquisa anterior, observamos que o cigarro afeta a visão. Mas como saber se a causa é a nicotina, fumaça ou outras substâncias? Em nível celular/molecular, quando a nicotina se liga aos receptores que existem no cérebro, ela libera acetilcolina, que está envolvida no processo de memória de curto e longo prazo, tal como processos atencionais”.

Mas a pesquisadora alerta que pode haver certo nível de toxicidade de acordo com a quantidade ingerida. "Como a visão é a porta de entrada para a cognição, o estudo quer observar se essas quantidades seriam tóxicas ou benéficas e se haveria certo nível de "normalidade".

A pesquisadora explica que, segundo a anatomia básica do sistema nervoso, tanto a retina quanto tubo neural tem a mesma formação e origem de tecido. "A retina, por sua vez, é o órgão mais fácil de investigar e de estudar de forma não invasiva". Segundo Natália, a importância de estudar a visão é que ela pode se tornar um biomarcador para alterações clínicas de transtornos neuropsiquiátricos.

A pesquisa deve ser concluída em um ano. Pessoas não fumantes com idade entre 18 a 45 anos podem ser voluntárias. Entre os requisitos básicos, não estar usando medicações para transtornos neuropsiquiátricos e/ou não ser diagnosticada em condições que afetem a visão, como glaucoma e catarata.  Outros detalhes sobre o estudo podem ser obtidos por meio do telefone (83) 99116-6846.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Governo federal recorre de decisão que suspende seleção do Sisu

UFPB divulga edital de cadastramento dos candidatos selecionados no Sisu

Paraibano, novo presidente da Capes, defende debate de criacionismo como contraponto à teoria da evolução

Paraibatec abre inscrições para seleção de professores bolsistas