Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Eleições

Editoria sobre Eleições ir para editoria →

Eleições 2022

Em busca de ‘novo Novo’, liberais conversam com Eymael e Partido da Mulher

Fundador da rede de aluguel de carros Localiza, Mattar já teve conversas com ao menos dois partidos: o PMB (Partido da Mulher Brasileira) e a DC (Democracia Cristã).

Segundo Eymael, os princípios de sua legenda são plenamente compatíveis com os dos liberais. (Foto: Reprodução)

Por

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — A crise no Novo deixou uma legião de liberais em busca de uma nova alternativa partidária. Líderes que se afastaram da legenda por divergências com seu fundador, João Amoêdo, e que se recusam a abraçar a defesa do impeachment do presidente Jair Bolsonaro correm para encontrar uma casa a tempo da disputa eleitoral de 2022.

Quem tem liderado essa busca por um "novo Novo" é o empresário Salim Mattar, ex-secretário de Desestatização do Ministério da Economia. Embora nunca tenha sido filiado ao partido, sempre foi muito próximo dele, e um dos seus maiores incentivadores. Em agosto, no entanto, rompeu com a legenda.

Fundador da rede de aluguel de carros Localiza, Mattar já teve conversas com ao menos dois partidos: o PMB (Partido da Mulher Brasileira) e a DC (Democracia Cristã). A ideia, segundo pessoas próximas do empresário, é "colonizar" uma dessas legendas, já que não haveria tempo hábil de criar do zero um partido liberal.

Assim, dissidentes do Novo e liberais órfãos ingressariam em um partido já existente, assumindo alguns cargos de direção e possivelmente até levando à mudança do nome da legenda.

Há cerca de 60 dias, Mattar procurou José Maria Eymael, eterno candidato a presidente conhecido por seu jingle pegajoso, e cacique da DC (ex-PSDC).

"Foi uma reunião muito harmoniosa, de conhecimento recíproco", diz Eymael. Mattar estava acompanhado de um pequeno grupo, entre eles Hélio Beltrão, presidente do Instituto Mises Brasil, outro que rompeu com o Novo recentemente.

Segundo Eymael, os princípios de sua legenda são plenamente compatíveis com os dos liberais.

"Acreditamos que podemos estar junto com esse grupo na campanha que se avizinha, porque os postulados deles são os mesmos que os nossos. Podemos formar a 'Democracia Cristã por um Brasil Liberal', não temos nenhuma dificuldade com isso. Todos nós defendemos o Estado necessário", afirma.

Até o momento, não houve nenhum acerto. Uma possível dificuldade é a resistência de Eymael de ceder o controle da legenda, além de abrir mão de ser mais uma vez candidato a presidente. Será sua sexta tentativa.

"É uma decisão definitiva. Sou pré-candidato a presidente da República indicado pela Democracia Cristã", afirma.

Segundo Eymael, o grupo liberal não colocou condições para se filiar. "Quem chega chega para aprender, não é para mandar. Se eles quiserem se filiar, as portas estão abertas", diz.

Outro alvo dos liberais, o PMB, foi procurado pelo blog, mas não respondeu aos pedidos de entrevista.

Outro que busca nova legenda é Christian Lohbauer, que foi vice na chapa de Amoêdo à Presidência da República em 2018. Em 16 de setembro, ele anunciou sua desfiliação, também por divergências sobre a centralidade que o tema do impeachment de Bolsonaro adquiriu na legenda.

"O verdadeiro liberal, ou muitos que estão no espectro liberal, está sem um espaço definido", afirma. Ele diz já ter tido conversas com PTB e Podemos como opções partidárias. "Sou mais um em busca de uma casa".

Segundo Lohbauer, faria sentido os liberais entrarem em bloco em uma legenda, inclusive mudando o nome dela. "Todos os partidos já mudaram de nome para fugir dos horrores do passado. O Cidadania, por exemplo, é o velho partidão [PCB]. Se você consegue fazer com que uma legenda seja liberal, tem que mudar de nome e comando", afirma.

Nos últimos dias, esta movimentação esfriou um pouco, por duas razões: a primeira é a aprovação das federações partidárias, que podem incentivar partidos nanicos a se unirem para superar a cláusula de barreira, sem necessidade de engordar seus quadros.

Além disso, o controle de Amoêdo sobre a direção do Novo fragilizou-se, após algumas derrotas que ele teve. Primeiro, tentou voltar ao diretório nacional, mas teve sua pretensão barrada. Depois, alguns aliados que trabalhavam para o partido tiveram o vínculo encerrado.

Esta nova demonstração de independência do comando do Novo com relação ao fundador pode animar opositores de Amoêdo a permanecerem no partido.
A demora de Bolsonaro em definir para qual partido vai é outro complicador. Enquanto ele não se define, tudo fica em suspenso.

Por meio de sua assessoria, o empresário Salim Mattar declarou que "nunca foi filiado ao Novo ou qualquer outro partido político e não procede a informação de que ele estaria ingressando nas legendas citadas ou em qualquer outra". Procurado, Hélio Beltrão não quis se manifestar.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Procuradoria cita prescrição e pede arquivamento de caso de tríplex atribuído a Lula

Bolsonaro sobre ser presidente: "Não sei onde estava com a cabeça"

Bolsonaro ataca Moro e diz que ex-ministro atuou contra normas pró-armas

Moderado, mulher, nordestino, evangélico: pré-candidatos ao Planalto já buscam vice; confira cotados