Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Esporte

Editoria sobre Esporte ir para editoria →

Jogos Olímpicos

Brasil e Holanda empatam jogo de seis gols, e Marta anota seu 13º em Olimpíadas

Na estreia, ambas as equipes haviam goleado. O Brasil venceu a China, na quarta-feira (21), por 5 a 0.

Com isso, Brasil e Holanda só dependem de si para garantir classificação. Na próxima terça-feira (27), o Brasil pega a Zâmbia às 8h30. No mesmo horário, a Holanda enfrenta a China. (Foto: Reprodução)

Por

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — No jogo apontado como o mais difícil do Brasil na primeira fase das Olimpíadas de Tóquio, a seleção feminina de futebol empatou com a Holanda, atual campeã europeia e vice-campeã mundial, por 3 a 3.

Na estreia, ambas as equipes haviam goleado. O Brasil venceu a China, na quarta-feira (21), por 5 a 0. Já o time holandês bateu a frágil Zâmbia por 10 a 3. No outro jogo do grupo disputado neste sábado (24), China e Zâmbia empataram em 4 a 4.

Com isso, Brasil e Holanda só dependem de si para garantir classificação. Na próxima terça-feira (27), o Brasil pega a Zâmbia às 8h30. No mesmo horário, a Holanda enfrenta a China.

Para a segunda partida, a técnica Pia Sundhage resolveu manter o mesmo time da estreia, jogando num 4-4-2 mais compacto buscando inibir o rápido ataque holandês, escalado por Sarina Wiegman no 4-3-3 e buscando explorar jogadas pelas pontas do campo.

E, se no primeiro jogo da Olimpíada a trave e a goleira Bárbara haviam feito milagres para as chinesas não abrirem o placar, a sorte abandonou a seleção feminina logo no início do duelo com a Holanda. Aos 2 minutos, Miedema recebeu na entrada da área, girou sobre a marcação de Érika e tocou no canto de Bárbara.

O Brasil reagiu rápido. Quatro minutos depois, em lance confuso na área, a arbitragem marcou pênalti para a seleção brasileira. No entanto, anulou a decisão quatro minutos depois, após consultar o VAR. O empate veio aos 15 minutos. Duda cruzou para Debinha, que finalizou duas vezes para marcar.

A seleção brasileira dominou o primeiro tempo, com 60% da posse de bola. No entanto, esse predomínio não foi efetivo no ataque. O Brasil teve 7 escanteios e insistiu nas bolas cruzadas na área, sem levar muito perigo. A seleção também conseguiu 4 finalizações, mas apenas uma foi na direção do gol, aproveitada por Debinha, artilheira do Brasil na era Pia, com 14 gols em 20 jogos.

Para a segunda etapa, a treinador promoveu três alterações, com a entrada das meias Angelina e Andressa Alves e a atacante Ludmila para as saídas de Formiga, Duda e Bia Zaneratto, que tinha feito um primeiro tempo apagado. A atacante do Atlético de Madrid, mudaria a sorte do jogo de fato, deu mais velocidade e força ao ataque do Brasil.

E, no momento em que o Brasil estava melhor no jogo, a Holanda voltou a ficar na frente. Aos 13 minutos, após cruzamento na área, Miedema cabeceou fraco, e a goleira Bárbara falhou.

Como aconteceu no primeiro tempo, a seleção brasileira buscou o empate logo depois. Em polêmico lance, Van der Gragt derrubou Ludmila na entrada da área, e a arbitragem marcou pênalti. Marta cobrou de esquerda para marcar seu terceiro gol nos Jogos de Tóquio. Ela está a um gol de igualar Cristiane como maior artilheira do futebol em Olimpíadas.

Aos 22 minutos, em erro da zagueira Nouwen, que recuou fraco, Ludmila recuperou a bola, passou pela goleira Van Veenendaal e colocou o Brasil pela primeira vez na frente do jogo.

Ludmila seria decisiva novamente, mas para o outro lado. Foi dela a falta que resultou no empate holandês, aos 33 minutos. Miedema cobrou com perfeição, sem chances para Bárbara. A partir daí, as duas equipes se arriscaram menos.

HOLANDA

Van Veenendaal; Lynn Wilms, Stefanie Van der Gragt, Nouwen e Dominique Janssen; Jackie Groenen, Jill Roord e Danielle de Donk; Van de Sanden (Beerensteyn, aos 21/2ºT), Miedema (Pelova, aos 42/2ºT) e Martens. T.: Sarina Wiegman

BRASIL

Bárbara; Bruna Benites, Érika, Rafaelle e Tamires; Formiga (Ludmila, no intervalo), Andressinha, Duda (Angelina, no intervalo) e Marta (Geyse, aos 29/2ºT); Bia Zaneratto (Andressa Alves, no intervalo) e Debinha. T.: Pia Sundhage

Local: Estádio de Miyagi, em Miyagi (Japão)
Árbitra: Kate Jacewicz (Austrália)
Cartões amarelos: Stefanie Van der Gragt, Jill Roord (Holanda); Ludmila (Brasil)
Gols: Miedema, aos 2/1ºT (1-0), Debinha, aos 15/1ºT (1-1), Miedema, aos 13/2ºT (2-1), Marta, aos 18/2ºT (2-2), Ludmila, aos 22/2ºT (2-3), Dominique Janssen, aos 33/2ºT (3-3)

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Brasil vence a Argentina com placar de 4x1 em jogo no Almeidão, em João Pessoa

Estádio Almeidão, em João Pessoa, receberá 700 convidados para segunda partida da Seleção Brasileira contra Argentina na Paraíba

Mano Menezes é demitido na Arábia Saudita após 12 jogos no comando do Al-Nassr

Atleta paraibano Eduardo Filho conquista título de campeão na Copa do Brasil de Karatê Esportivo