Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Esporte

Editoria sobre Esporte ir para editoria →

Brasileiro é recordista mundial do jogo Pitfall

Rodrigo Lopes terminou o jogo de Atari com pontuação inédita e entrou para o Guinness. Ele é da equipe brasileira Metroid, que tem mais de 700 recordes no ran

Por

Foram 114 mil pontos conquistados e nenhuma vida perdida nas armadilhas de "Pitfall", jogo de Atari em que o personagem enfrenta jacarés, cobras e outros desafios da tecnologia de 1982. Rodrigo Lopes, de 27 anos, tornou-se em 2006 o principal recordista do jogo, garantindo lugar no Guinness Book e uma posição de destaque na comunidade internacional dos melhores jogadores do mundo. 

Ele e seus amigos Carlos, Cristiano e Valter formam a equipe Metroid, que desde 1998 se especializou em resgatar jogos antigos e quebrar recordes de pontuação para entrar no ranking mundial. "Quanto mais antigo o jogo, mais jogado ele é, e mais importante é o recorde", diz Rodrigo, que tem 517 "triunfos" registrados no Twin Galaxies, entidade que administra as marcas históricas de games desde 1981.

A façanha do brasileiro em "Pitfall" superou com folga o recorde anterior. Rodrigo atingiu a pontuação máxima, não perdeu nenhuma vida e chegou ao final com 1 minuto e 42 segundos de vantagem sobre a contagem regressiva. A marca batida por ele era de 2001, do norte-americano Neil Chapman, e registrava apenas 52.94% dos pontos possíveis e 54 segundos restantes. 

Os tipos de recordes a serem batidos na comunidade organizada pela Twin Galaxies variam de acordo com o jogo, mas geralmente envolvem objetivos como conseguir o maior número de pontos no menor tempo possível. As regras se adaptam a cada plataforma, seja no Atari, nos fliperamas ou em videogames mais recentes. O jogador que for tentar um recorde em "Guitar hero", por exemplo, deve tocar uma rápida seqüência de teclas no início da gravação de seu vídeo para provar que está tocando com o controle em forma de guitarra, e não com o controle convencional.

Carreira de recordes
Desde 1994 a equipe Metroid se reúne em Penha, litoral norte de Santa Catarina, para jogar. O que começou como passatempo entre amigos ganhou ares de competição quando eles resolveram enviar recordes a revistas especializadas, como a extinta "Videogame". A busca pelas melhores pontuações ganhou ainda mais importância para o grupo quando, em 1998, passaram a enviar recordes à comunidade Twin Galaxies, com sede nos Estados Unidos.

"Às vezes você passa três, quatro meses com o mesmo jogo, tentando superar uma marca", diz Rodrigo. Além de muito treino, o candidato a recordista mundial deve seguir alguns passos: conhecer as regras do recorde que pretende quebrar e trocar informações com jogadores da comunidade, para só depois gravar em vídeo sua tentativa e enviar aos juízes da Twin Galaxies.

A equipe Metroid tem 716 recordes e 496 "primeiros lugares" nos rankings da comunidade internacional. "A gente combina, conversa para ver qual membro da equipe é mais qualificado para determinado jogo. Cada um tem sua especialidade, como RPG, aventura, corrida, luta", conta Rodrigo, que tem "The legend of Zelda" como seu preferido.

Por diversão
Os jogadores da Metroid dizem que jogam por prazer. Eles trabalham em áreas não relacionadas aos games e dizem que o treino acontece em finais de semana "ou quando sobra algum tempo à noite". O fundador da Twin Galaxies, Walter Day, destaca a importância do time brasileiro no ranking, e diz que a entidade gostaria de organizar alguma atividade no Brasil. O pretígio alcançado pelos brasileiros transformou-os também em juízes da comunidade internacional. Assim, eles podem receber as fitas de outros jogadores para avaliar a validade dos recordes.

Alguns desses desafios são baseados em limite de tempo, outros giram em torno da maior pontuação. A maioria deles, no entanto, exige inteligência do jogador. "Em River Raid [jogo de combate aéreo do Atari], geralmente as pessoas fazem 100 mil, 200 mil pontos. Aí começa a faltar gasolina no avião e aumentam os inimigos na tela. É então que você tem de descobrir o padrão de jogo para se superar", explica Rodrigo.

Recentemente, ele superou um recorde que foi publicado na edição 2008 do Guinness Book. A "Maior pontuação em um jogo de videogame" era atribuída ao norte-americano J.C. Padilla, com 2.181.619.994.299.256.480 pontos em "GigaWings 2", do Dreamcast. "Na verdade, o recorde dele virou poeira. Meu recorde é seis vezes melhor: 13.617.120.714.066.509.130", conta Rodrigo. Ele enviou a gravação aos juízes da Twin Galaxies e o recorde foi confirmado nesta quarta (27).

Rodrigo também aproveita para derrubar uma das lendas que dizem que jogos de Atari "não terminam nunca": "O Pitfall tem fim, mas não é aquele fim com letrinhas, o the end. O jogo simplesmente congela". Palavra de recordista mundial. 


G1

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Treze e Atlético-PB se enfrentam na segunda rodada do Campeonato Paraibano

Amistoso entre Brasil e República Tcheca será dia 26 de março

Serrano perde pênalti mas consegue vencer o CSP pela segunda rodada do Paraibano

Botafogo-PB e Santa Cruz empatam no primeiro jogo da Copa do Nordeste