Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Mundo

Editoria sobre Mundo ir para editoria →

Nos EUA, Obama gera maior polarização em eleições do que Bush; país vo

Mudança não é a única bandeira que Barack Obama pena para tornar real. Eleito sob a promessa de unir o pais, o presidente viu o abismo partidário crescer sob se

Por

Folha Online

Mudança não é a única bandeira que Barack Obama pena para tornar real. Eleito sob a promessa de unir o pais, o presidente viu o abismo partidário crescer sob seus pés e fazer de seu governo o mais polarizador nos EUA desde a Segunda Guerra, segundo pesquisas.

Isso ajuda a explicar a motivação de republicanos para derrotá-lo na eleição para Congresso e governos estaduais marcada para esta terça-feira (2).

De acordo com o instituto Pew, a diferença hoje entre democratas e republicanos que querem vê-lo tentar a reeleição em 2012 é de 71 pontos percentuais.

Com Bill Clinton (1993-2001) e George Bush pai (1989-93), era de 34, e com Ronald Reagan (1981-89), de 46 (Bush filho não é citado).

Já a série do Gallup mostra que a taxa de aprovação média de Obama exibe uma diferença de 65 pontos entre governistas e opositores, enquanto a de George W. Bush (2001-09) e Reagan era de 45, a de Clinton, de 52 e a de Bush pai, de apenas 32.

"Esse abismo é um padrão das últimas décadas que piorou com Bush e Obama", disse à Folha Robert Shapiro, professor de ciência política na Universidade Columbia, em Nova York, e diretor do projeto de opinião pública na mesma entidade.

"Cada vez mais democratas se identificam como liberais e republicanos, como conservadores", afirmou Shapiro. "O conflito tem crescido tanto em questões factuais quanto ideológicas."

RAIVA E ECONOMIA

Pontos de cisão listados por Shapiro são as questões de economia ligadas ao bem-estar social, mote desta campanha, e temas raciais, culturais e de política externa (exceto Iraque e Afeganistão).

Essas divisões são exacerbadas por uma mídia igualmente polarizada, capitaneada pelas emissoras de televisão Fox News e a MSNBC, cada uma a seu lado, e por figuras como o comentarista conservador Glenn Beck.

Com isso, a atual campanha legislativa evoca as propostas de duelos armados entre membros de partidos opostos no século 19. Naquela época, porém, polarização significava coesão dentro de cada bloco.

Não é o caso em um Partido Republicano rachado entre ativistas ultraconservadores reunidos sob o movimento Tea Party e moderados. Ou diante de democratas que renegam o presidente.

"Obama até tentou adotar posições mais moderadas, na reforma da saúde e no estímulo econômico", diz Shapiro. "Mas foi em vão." Ele atribui ao governo Bush e aos lideres partidários no Congresso o acirramento.

O saldo é resumido na ilustração da última capa da revista britânica "The Economist". Nela, uma turba rodeia um presidente Obama estático com cartazes que o acusam de inépcia e lhe cobram empregos.

O risco dessa agressividade é matar qualquer consenso em um Congresso onde, a julgar pelas sondagens, os republicanos devem conquistar a Câmara, mas os democratas ainda manteriam uma maioria, ainda que magra, no Senado.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Mergulhador bate em tubarão-martelo para se salvar na Austrália

Ellen Page anuncia que é homem trans e passará a assinar como Elliot Page

Torre Eiffel, fechada devido à pandemia, reabrirá em 16 de dezembro

Governadores de Califórnia e NY avaliam retomar medidas duras para conter alta da Covid-19