Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Mundo

Editoria sobre Mundo ir para editoria →

Europa

Primeiro-ministro da França cita cloroquina no Brasil ao rebater deputado e provoca risos

Primeiro-ministro francês ironizou um deputado de oposição que pediu para que o governo prescrevesse hidroxicloroquina em abril de 2020, e afirmou que o Brasil foi justamente o país que mais o fez.

Primeiro-ministro da França, Jean Castex, ajusta máscara durante coletiva de imprensa e dezembro de 2020. (Foto: Thomas Samson/Pool/AFP)

Por

O Brasil foi citado como um país onde as políticas públicas contra a pandemia são ruins durante uma discussão na Assembleia Nacional da França na terça-feira (14), quando o primeiro-ministro, Jean Castex, anunciou que o governo iria suspender os voos entre os dois países.

Patrick Hetzel, um deputado de oposição, atacou o governo por não ter fechado, até então, as fronteiras com o Brasil, e que isso mostrava a incapacidade de lidar com a pandemia.

Esse mesmo deputado, em abril de 2020, havia pedido ao presidente francês para que recomendasse hidroxicloroquina, que não tem nenhuma eficácia para combater a Covid-19.

Em sua resposta, o primeiro-ministro disse que Hetzel distorcia a realidade, pois o governo francês foi ativo ao combater a pandemia. Castex aproveita para ridicularizar Hetzel por recomendar hidroxicloroquina no começo da pandemia.

“Tem uma coisa que não fizemos: seguir suas recomendações. O senhor escreveu ao presidente da República em 2020 para aconselhar a ele que prescrevesse hidroxicloroquina. Ora, o Brasil é o país que mais a prescreveu”, afirmou o primeiro-ministro.

Uma parte da Assembleia Nacional, então, aplaudiu e deu risadas.

O começo da discussão

O deputado de oposição começou sua fala dizendo que a variante identificada no Brasil, mais severa, contagiosa e morta, ameaça a França. Portugal e Reino Unido, afirmou, adotaram restrições mais severas.

Ele cita, então, uma fala do ministro dos Transportes, que teria dito que não poderia fazer nada, pois isso não está previsto em lei. O deputado afirma que isso é uma incapacidade política e que os franceses precisam ser protegidos.

Hetzel pergunta ao primeiro-ministro se ele vai proibir os voos com países que possuem variantes perigosas ou iria continuar a ser incapaz de implementar políticas sanitárias que a ciência já disse que é preciso adotar.

Resposta do primeiro-ministro

Ao responder, Jean Castex diz que a pergunta do deputado parte de fatos verdadeiros, como a severidade da variante detectada no Brasil, mas que o deputado distorce a realidade.

Ele afirma que desde o fim de janeiro já havia restrições aos viajantes que partem do Brasil, e anuncia a suspensão dos voos: “Vamos aos fatos: hoje, e após as medidas que tomamos em 29 de janeiro, toda pessoa que deseja entrar na França a partir do Brasil não pode fazê-lo a não ser por motivos imperiosos".

É nesse momento que ele diz que o governo não recomendou a hidroxicloroquina, como o Brasil fez.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Estágio de 20 toneladas de foguete chinês cairá na Terra até amanhã

Alemanha retoma uso de vacina da AstraZeneca em todos os adultos

Príncipe de Liechtenstein é acusado de matar um dos maiores ursos da Europa

Atriz britânica é submetida a cirurgia após ter rosto corroído por abuso de cocaína