Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Saúde

Comissão da Assembleia aprova restrição de acessos a bares, restaurantes e proibição a concurso público a quem não foi imunizado contra a Covid-19 na Paraíba

De autoria dos deputados Adriano Galdino e Ricardo Barbosa, o PLO 3.173/21 estabelece uma série de sanções para as pessoas que se recusarem a tomar a vacina contra o novo coronavírus.

Os que se recusarem a se vacinar não terão direito a obter empréstimos de instituições oficiais ou participar dos programas sociais do Governo do Estado da Paraíba e nem renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial do Estado da Paraíba. (Foto: reprodução)

Por

A Comissão de Constituição e Justiça aprovou, nesta segunda-feira (20), um projeto de lei que prevê restringir acessos a bares, restaurantes, eventos, além de proibir a inscrição em concursos, posse em cargos públicos, além de outras restrições para quem não foi imunizado contra a Covid-19 na Paraíba. Para valer, o PLO vai para votação no Plenário, e se aprovado será encaminhado para sanção do governador João Azevêdo. 

De autoria dos deputados Adriano Galdino e Ricardo Barbosa, o PLO 3.173/21 estabelece uma série de sanções para as pessoas que se recusarem a tomar a vacina contra o novo coronavírus.

Caberá ao Poder Executivo determinar a abrangência, a temporalidade inicial e final das restrições, com a devida fundamentação de necessidade, baseada em evidências científicas e análise em informações estratégicas em saúde. Os chefes dos Poderes Legislativo e Judiciário e dos órgãos autônomos poderão regulamentar o disposto nesta Lei no âmbito de suas dependências.


O Projeto de Lei, em seu artigo 4º,  observa que os indivíduos sem a imunização poderão ter alguns direitos restritos, sendo proibidos de frequentar bares, restaurantes, casas de shows, boates e congêneres. Também não poderão se inscrever em concurso ou prova para função pública, ser investido ou empossado em cargos na Administração Pública estadual direta e indireta.

Ainda de acordo com o PLO, os que já são servidores públicos serão proibidos de receber vencimentos e remuneração, salário ou proventos de função ou emprego público, autárquico, fundacional, empresas, institutos e sociedades de qualquer natureza, mantidas e subvencionadas pelo governo estadual ou que exerçam serviço público delegado.

Os que se recusarem a se vacinar não terão direito a obter empréstimos de instituições oficiais ou participar dos programas sociais do Governo do Estado da Paraíba e nem renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial do Estado da Paraíba.

Ao fundamentar a política de vacinação, o PLO nº 3.173 observa que a aplicação da vacina em massa é medida adotada pelas autoridades de saúde pública, como caráter preventivo, para reduzir a morbimortalidade de doenças infecciosas transmissíveis e proporcionar a imunidade coletiva.

Mesmo estabelecendo sanções a quem se recusar de tomar a vacina contra a Covid-19, o artigo 6° do Projeto de Lei, proíbe a vacinação forçada ou qualquer medida invasiva sem o consentimento dos indivíduos, preservando o direito à intangibilidade, inviolabilidade e integridade do corpo humano.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Prefeita de Belém consegue mais R$7 milhões para construção de escola em tempo integral no município de Belém

Léo Bezerra autoriza início de obras de reestruturação da Escola Augusto dos Anjos, em João Pessoa

Cabedelo protege mais de 60% de sua população contra a Covid-19

Prazos para pagamento e comprovação da isenção do IPVA de placa com final zero encerram no dia 29 de outubro