Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Trabalhador

Justiça condena empresa Brastex a pagar mais de R$ 18 mil a caminhoneiro por atrasar descarregamento de mercadorias

Empresa deverá pagar danos materiais por atraso no descarregamento de mercadorias.

O caminhoneiro ainda destacou que ficou impossibilitado de seguir viagem, porque o caminhão ficou dentro da empresa sem descarregar, além de não receber as diárias conforme dispõe a Lei nº 13.103/2015, tendo um prejuízo de R$ 18.564,34. (Foto: reprodução)

Por

O juiz Inácio Jário Queiroz de Albuquerque manteve a condenação da empresa Brastex S/A a pagar uma indenização, por danos materiais, no valor de R$ 18.564,34, a um caminhoneiro que ficou mais de 10 dias parados ao chegar com uma carga de algodão do galpão da empresa para descarregar. A decisão foi justificada em razão da demora no descarregamento das mercadorias. A  sentença, oriunda do Juízo da 1ª Vara Cível de Campina Grande, foi mantida pela Primeira Câmara Especializada Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba.

A parte autora alega que foi contratada para fazer o serviço de transporte de carga, com fardos de algodão em seu caminhão, pela empresa Superago Co. Atacadista de Algodão Ltda, com destino a empresa Brastex. Relata que saiu ao destino final em 31/03/2017, chegando no dia 4 de abril para ser feita a descarga da mercadoria. Em 6 de abril, às 09h39 da manhã, o autor deu entrada na empresa conforme nota fiscal assinada, mas só no dia 17 de abril às 18 horas, sem nenhum motivo plausível é que foi feita a liberação da carreta.

O caminhoneiro ainda destacou que ficou impossibilitado de seguir viagem, porque o caminhão ficou dentro da empresa sem descarregar, além de não receber as diárias conforme dispõe a Lei nº 13.103/2015, tendo um prejuízo de R$ 18.564,34.

A empresa, por sua vez, sustentou que não houve comunicação do apelado acerca da data de chegada da carga ao destino, bem como que não pode ser responsabilizada por todo e qualquer atraso.

O relator do processo observou que a Lei nº 11.442/07 dispõe que o prazo máximo para carga e descarga do Veículo de Transporte Rodoviário de Cargas será de cinco horas, contadas da chegada do veículo ao endereço de destino. Dispõe, ainda, que o transportador informará ao expedidor ou ao destinatário, quando não pactuado no contrato ou conhecimento de transporte, o prazo previsto para a entrega da mercadoria.

"No que diz respeito à necessidade de agendamento prévio do descarregamento, tenho que a previsão do caput do dispositivo supra não se trata de requisito indispensável para que o transportador pleiteie ressarcimento do destinatário pelo excesso no atraso para descarregamento, que, no presente caso, foi de mais de 10 dias", destacou o relator.

Da decisão cabe recurso.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Advogado Raoni Vita critica criação de cartórios unificados e diz que OAB precisa restaurar voz ativa e respeitabilidade

Pacientes de Manaus recebem alta do Hospital Universitário de João Pessoa e celebram cura da Covid-19

Ouvidoria do Ministério Público já recebeu 19 denúncias de irregularidade em vacinação contra covid-19 na Paraíba

Funcionários denunciam falta de vacinas para setor de enfermagem do Hospital Nossa Senhora das Neves e dizem que equipe administrativa furou fila