Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

justiça

Latam é condenada a indenizar passageiro que perdeu sepultamento da irmã por atraso em voo

A sentença considerou que o argumento defesa da empresa foi insuficiente uma vez que tem responsabilidade sobre a falha na prestação de serviços.

Na sentença, o juiz Carlos Eduardo Leite Lisboa observou que não há como ser afastado o dever de reparação dos danos oriundos da falha na prestação do serviço de transporte aéreo. (Foto: reprodução)

Por

A empresa Latam Linhas Aéreas S/A deverá pagar uma indenização, por danos morais, no valor de R$ 4 mil, em decorrência do atraso de um voo no trecho Recife/Rio de Janeiro. O autor da ação, ajuizada na 11ª Vara Cível da Capital, alegou que o atraso se prolongou por quase quatro horas, impedindo que o mesmo tivesse a oportunidade de presenciar o sepultamento de sua irmã.

Em sua defesa, a empresa afirma que no dia do voo da parte autora, excepcionalmente, a aeronave em que a levaria ao seu destino, pouco tempo antes de sua decolagem e durante o período de testes de segurança, apresentou um problema técnico e careceu de imediato e inesperável reparo. 

Na sentença, o juiz Carlos Eduardo Leite Lisboa observou que não há como ser afastado o dever de reparação dos danos oriundos da falha na prestação do serviço de transporte aéreo, porquanto, diferente do que alega a empresa, não restou configurada qualquer excludente de responsabilidade no caso em questão.

“Ainda que se reconhecesse que o atraso do voo se deu por motivos de segurança, isso não teria o condão de afastar o dever de indenizar, já que problemas de manutenção e de segurança das aeronaves configuram fortuito interno, inerentes ao serviço prestado”, destacou o magistrado.

Afirmou, ainda, que todo aquele que praticar ato ilícito e gerar dano a outrem como consequência da prática daquele ato, será obrigado a indenizar. “Tal situação, sem dúvida, violou direitos de personalidade da demandante, não podendo ser tratado como mero dissabor diário, como pretende a ré”, enfatizou.

Da decisão cabe recurso.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Profissionais da saúde com sintomas do Coronavírus vão fazer testes rápidos na Paraíba

Corpo de Bombeiros firma parceria com UFPB para produção de protetor facial

MPPB destina R$ 1 milhão para compra de mais de 10 mil testes e kits de detecção do coronavírus

Pagamento de contas de luz atrasadas podem ter prazos negociados na PB, diz Energisa