Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Saúde

Pacientes passarão a usar pulseiras de identificação no hospital Metropolitano com cores diferentes para cada patologia

A identificação por pulseiras com quatro cores distintas, visando evitar erros e riscos para a segurança daqueles que por algum motivo buscarem por ajuda médica.

A Identificação Segura é uma das Metas Internacionais de Segurança do Paciente, que visa evitar erros quanto à administração incorreta de medicamentos, procedimentos equivocados e até troca de prontuários. (Foto: reprodução)

Por

O Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires implementou uma nova política de segurança aos pacientes. A identificação por pulseiras com quatro cores distintas, visando evitar erros e riscos para a segurança daqueles que por algum motivo buscarem por ajuda médica.

A utilização das pulseiras é direcionada aos pacientes dos setores cardiológicos, neurológicos, do Centro de Diagnóstico por Imagem (CDI) e Ambulatório, como explicou o gerente operacional, Alex Carlos. “O nosso trabalho começa desde a recepção, no momento de admissão do paciente, onde ele é classificado e identificado. Antes, possuíamos pulseiras apenas na cor branca com um adesivo e as informações do usuário, mas visando promover uma assistência mais segura, e também tornar a nossa comunicação mais efetiva, adotamos esse novo método, onde já obtivemos bons resultados”, pontuou.

A Identificação Segura é uma das Metas Internacionais de Segurança do Paciente,  que visa evitar erros quanto à administração incorreta de medicamentos, procedimentos equivocados e até troca de prontuários, como ressaltou a gerente de enfermagem, Kátia Jacqueline. “É muito importante esse trabalho de identificação, pois ele perpassa por todas as áreas da assistência, desde a entrada até o momento da alta hospitalar. Destacamos que a pulseira permanece durante todo o período em que o paciente estiver submetido aos nossos cuidados. Caso a pulseira caia ou fique ilegível, providenciaremos o mais breve a troca” frisou.

Diante da novidade, o Núcleo de Segurança do Paciente do Metropolitano vem promovendo diversas capacitações com os colaboradores, para repassar as informações e reforçar sobre os riscos relacionados à identificação incorreta do paciente. “A meta é envolvermos todos os membros da instituição nesse novo processo, para que também, no momento em que qualquer colaborador identificar um paciente com a pulseira, saber direcioná-lo, de acordo com a respectiva cor, para o local correto”, pontuou o gerente Multidisciplinar e de Qualidade, Bruno Brito.

De acordo com o diretor assistencial, Gilberto Teodozio, a instituição de saúde trabalha com tripla de identificação. “Estabelecer cores para as pulseiras de identificação foi mais um método além dos que já utilizamos. Contamos com a identificação a beira leito e a identificação verbal, seja oralizada pelo paciente ou seu acompanhante. Todos os profissionais envolvidos nas linhas de cuidado e atendimento seguem esses critérios, para uma assistência segura”, concluiu.
 

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Detentos de unidade prisional em Sousa terão acesso a cursos e ferramentas para educação básica com instalação de computadores

Senadora Daniella Ribeiro pede audiência com presidente do Banco do Brasil para impedir o fechamento de agências na Paraíba

Ministério Público Federal recebe 18 denúncias de fura filas em cinco cidades paraibanas

Ouvidoria do Ministério Público da Paraíba recebeu, em sete dias, 33 denúncias de fura filas na vacinação contra covid-19