Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Pandemia

Prefeitura de Patos ainda não foi notificada sobre recomendação do Ministério Público de revogação de 'passaporte da vacina'

Equipe se reúne nesta terça-feira (21) e vai discutir sobre o tema.

Reunião com equipe da gestão municipal para discutir o assunto e manifestação no processo. (Foto: Reprodução)

Por

A Prefeitura de Patos, no Sertão paraibano, ainda não foi notificada sobre a recomendação do Ministério Público da Paraíba (MPPB) de revogação do decreto ou ato administrativo que determina a apresentação do 'passaporte da vacina' para acesso a estabelecimentos no município. Uma reunião com a equipe da gestão e prefeito deve acontecer nesta terça-feira (21) para discutir sobre o tema. 

“Nós vamos nos reunir, adiantar e discutir isso, mas oficialmente nós não fomos notificados ainda. Nós vamos nos reunir e discutir sobre isso”, informou, em conversa com o ClickPB, o procurador Alexsandro Lacerda, destacando que a reunião contará com a procuradoria, secretários, membros da força-tarefa e o prefeito da cidade, Nabor Wanderley. 

No entanto, o procurador Alexsandro Lacerda adiantou que a gestão só irá se manifestar no processo. “A gente vai discutir, mas vai deixar para se manifestar sobre o cumprimento no próprio processo. E só após se manifestar é que vamos declarar porque não adianta a gente antecipar essa decisão”, frisou.

Ontem (20), o Ministério Público da Paraíba (MPPB) recomendou ao prefeito de Patos que revogue o decreto ou ato administrativo que determina apresentação de passaporte da vacina para acesso a estabelecimentos e instituições. Entre as considerações está que a exigência causa possibilidade de violação do direito fundamental de ir e vir, o que pode acarretar o impedimento irrestrito de acesso a determinadas localidades, causando prejuízo da circulação de pessoas, bens e serviços, o que pode acarretar em danos ainda maior à incolumidade pública.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Últimos editais da Lei Aldir Blanc 2ª fase encerrarão inscrições na terça-feira

Cabedelo libera mais de R$ 115 mil em crédito para MEIs

Tribunal de Justiça da Paraíba começa a receber custas judiciais através do PIX a partir de novembro

Hospital Municipal do Valentina, em João Pessoa, realiza 47 mil atendimentos em nove meses