Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Política

Política - Últimas Notícias do Mundo Político | ClickPB ir para editoria →

Procurador

Deltan critica aproximação entre governo Bolsonaro e políticos investigados em casos de corrupção

Para muitos apoiadores de Bolsonaro, a aproximação com o centrão é uma traição ao discurso anticorrupção que foi um dos focos durante a campanha eleitoral.

Dallagnol, uma das principais lideranças do Ministério Público Federal na Operação Lava-Jato, disse que "o establishment político tem resistido a mudanças para reduzir a roubalheira", o que enfraquece a confiança da sociedade na democracia. (Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados/Arquivo)

Por

SÃO PAULO (UOL/FOLHAPRESS) - O procurador da República Deltan Dallagnol criticou a aproximação do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) a políticos com histórico de corrupção. "Pouco a pouco, os mesmos políticos envolvidos em escândalos voltam a controlar a gestão de órgãos públicos e seus orçamentos", afirmou em artigo publicado no jornal "O Globo" neste domingo (14).

Dallagnol, uma das principais lideranças do Ministério Público Federal na Operação Lava-Jato, disse que "o establishment político tem resistido a mudanças para reduzir a roubalheira", o que enfraquece a confiança da sociedade na democracia.

Nas últimas semanas, o governo intensificou a entrega de cargos a políticos do chamado "centrão" –grupo de partidos antes hostilizado pelo discurso bolsonarista, por aceitar nomeações em troca de apoio.

Para muitos apoiadores de Bolsonaro, a aproximação com o centrão é uma traição ao discurso anticorrupção que foi um dos focos durante a campanha eleitoral.

O procurador também criticou a escalada do discurso autoritário, a falta de apoio a projetos legislativos anticorrupção e a interferência do governo em órgãos de investigação –acusações semelhantes às feitas pelo ex-ministro Sergio Moro ao deixar o governo.

"Notícias de interferência na polícia e órgãos de persecução, ausência de um apoio firme à causa anticorrupção, investigações sobre seus integrantes, rejeição do papel da ciência na formulação de políticas públicas em meio à crise sanitária, possíveis ligações com milícias e disseminação de notícias falsas, ataques às instituições e arroubos verbais contra a democracia minam a confiança da sociedade", afirmou.

Para Dallagnol, o STF (Supremo Tribunal Federal) não tem sido lento na investigação e no julgamento de casos de corrupção, "seja pela complexidade dos casos, pela falta de vocação estrutural ou por decisões equivocadas".

"Contudo, as possíveis frustrações com o Congresso e o Supremo jamais devem conduzir à proposta de seu fechamento e à irracionalidade de anseios autoritários", afirmou o procurador. "As críticas devem buscar seu aperfeiçoamento, e não sua destruição."

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Assembleia realiza eleição para escolher novo vice-presidente nesta quarta-feira após morte de Genival Matias

Raniery Paulino tira licença para cuidar da saúde e da campanha eleitoral em Guarabira; deputado é um dos nomes do MDB para disputa a prefeito

Advogado de candidato à eleição indireta de Bayeux acusa presidente da Câmara de comandar manobra política

Jullys Roberto toma posse na Assembleia Legislativa após licença de Raniery Paulino