Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Política

Política - Últimas Notícias do Mundo Político | ClickPB ir para editoria →

Reforma

Fim da estabilidade valerá para novos servidores públicos, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro indicou que o próximo passo do governo deverá ser a reforma administrativa.

Bolsonaro defendeu ainda a reforma da Previdência , que comparou a uma “quimioterapia” para o país. (Foto: Reprodução)

Por

Após chegar a Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, como parte da visita que faz a países do Oriente Médio, o presidente Jair Bolsonaro indicou que o próximo passo do governo deverá ser a reforma administrativa. Como já vinha sendo discutido ao longo desta semana, ele defendeu o fim da estabilidade para os novos servidores públicos , mantendo inalterados os direitos já adquiridos por aqueles que estão na ativa.

— Conversamos com o Rodrigo Maia, com o Davi Alcolumbre. Acredito que a reforma administrativa seja a melhor para o momento. Tem proposta já adiantada na Câmara. Não vamos buscar quebrar a estabilidade do servidor. Depois da promulgação dessa PEC, caso ela seja promulgada um dia, queremos mudar essa forma de relação de prefeituras e estados que exageram no número de servidores — disse o presidente.

— O fim da estabilidade seria para os novos servidores. Não queremos criar um trauma para nos atuais servidores que grande parte exercem um trabalho muito bom.

Ele justificou a ausência do ministro da Economia, Paulo Guedes, na comitiva, explicando que ele não poderia se ausentar por tanto tempo do país. Frisou, contudo, que se mantém a par da agenda econômica brasileira recebendo informações do assessor do ministro.

Bolsonaro defendeu ainda a reforma da Previdência , que comparou a uma “quimioterapia” para o país. Ele reforçou que o governo vem tendo apoio do Parlamento, realizando reformas que “se tentavam há 20, 30 anos, e estão aparecendo”:

— O Parlamento tem dado sinal positivo. A Câmara votou com nosso apoio a base de Alcântara com os Estados Unidos. É fazendo o dever de casa. Sabemos que a reforma da Previdência por vezes parece uma quimioterapia. Se faz necessária e não podemos sucumbir. Peguei o Brasil arrebentado economicamente.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Governador participa de recepção aos novos integrantes do Curso de Formação de Soldados

Datafolha: 36% reprovam e 30% aprovam o governo Bolsonaro

PSL denuncia seis deputados do próprio partido ao Conselho de Ética da Câmara

Mulher que esperou 10h por parto normal receberá indenização de R$ 20 mil por negligência da PMJP