Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Religião

Editoria sobre Religião ir para editoria →

Declaração Universal

Papa Francisco faz apelo para que os direitos humanos sejam o centro das ações políticas

O papa lembrou ainda todos os que vivem "em um clima dominado pela desconfiança e pelo desprezo, que são submetidos a atos de intolerância, discriminação e violência por causa de sua raça, etnia, nacionalidade ou religião".

O papa Francisco fez um "apelo sincero" para que todos os que tenham responsabilidades institucionais façam dos direitos humanos o centro das ações políticas (Foto: Reprodução)

Por

O papa Francisco fez nesta segunda-feira (10), data em que se recorda os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, um "apelo sincero" para que todos os que tenham responsabilidades institucionais façam dos direitos humanos o centro das ações políticas, em um momento em que o tema é, segundo ele, continuamente ignorado.

"Desejo, nesta ocasião, dirigir um forte apelo a todos os que têm responsabilidades institucionais, para que coloquem os direitos humanos no centro de todas as políticas, incluindo as de cooperação para o desenvolvimento, mesmo quando isso signifique ir contracorrente", afirmou o pontífice na mensagem que escreveu para abrir a conferência internacional sobre o tema organizada pela Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, e que foi lida pelo cardeal Peter Appiah Turkson, presidente do Pontifício Conselho Justiça e Paz do Vaticano.

No texto, Francisco afirmou que "várias contradições" são vistas diariamente e que isso gera a pergunta de que se de fato "a igual dignidade de todos os seres humanos, solenemente proclamada há 70 anos, é reconhecida, respeitada, protegida e promovida em todas as circunstâncias".

Conforme ressaltou, existem atualmente muitas formas de injustiça,"alimentadas por visões antropológicas redutivas e por um modelo econômico baseado no lucro, que não hesita em explorar, descartar e até matar o homem". E defendeu: "enquanto uma parte da humanidade vive em opulência, outra parte vê sua própria dignidade renegada, desprezada ou pisoteada e
seus direitos fundamentais ignorados ou violados".

O papa lembrou ainda todos os que vivem "em um clima dominado pela desconfiança
e pelo desprezo, que são submetidos a atos de intolerância, discriminação e violência por causa de sua raça, etnia, nacionalidade ou religião", enquanto alguns "enriquecem com o preço do sangue" desses indivíduos.

"Por isso somos todos chamados a contribuir para o respeito aos direitos fundamentais de cada pessoa, especialmente das invisíveis: que têm fome e sede, que estão nuas ou doentes, estrangeiras ou prisioneiras, que vivem à margem da sociedade ou são descartadas", aconselhou

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Cidade Viva realiza workshop “Homens que fazem famílias fortes e felizes”

GodStock promove ação de Casamento Coletivo na Cidade Viva de Sapé neste sábado

Papa pede por mundo sem armas nucleares em visita ao Japão

Mais de 500 mil fiéis devem participar da Romaria da Penha neste sábado