Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Tecnologia

Editoria sobre Tecnologia ir para editoria →

Fenômeno

'Estrela de Natal': o excepcional alinhamento de Saturno e Júpiter poderá ser visto nesta segunda-feira

Júpiter e Saturno ficarão tão próximos que vão parecer um só corpo celeste de quem os observa da Terra; a última vez que isso aconteceu foi há 400 anos.

Os planetas Júpiter (esquerda) e Saturno (direita), os maiores do Sistema Solar estarão alinhados pela perspectiva da Terra. Evento não acontece dessa forma há mais de 400 anos. (Foto: Reprodução)

Um fenômeno astronômico raríssimo vai ocorrer ao cair da noite desta segunda-feira (21), considerado um dos mais espetaculares do ano. 

A Grande Conjunção de Júpiter e Saturno, fenômeno em que esses dois grandes planetas estarão alinhados pela perspectiva da Terra, dando a impressão de formar um "planeta duplo".

Embora esses dois planetas se encontrem nesta posição a cada 20 anos, o encontro de 2020 é muito particular, pois quase 400 anos se passaram desde que ambos estiveram tão próximos um do outro, e cerca de 800 anos desde que aconteceu à noite, o que permitirá que seja visível em quase todos os lugares do mundo, observa a Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos.

A proximidade, é claro, é uma questão de perspectiva: esses dois planetas estão na verdade separados por centenas de milhões de quilômetros.

Se você quiser aproveitar a oportunidade para ver este fenômeno, que alguns astrônomos apelidaram de "o beijo de Natal", diremos a seguir como, onde e quando ele pode ser observado.

De quase todos os lugares

Não importa onde você esteja, a grande conjunção será visível de quase todos os lugares da Terra, cerca de uma hora após o pôr do sol.

Quem estiver perto do Equador poderá observar o fenômeno melhor, pois vai durar mais ali.

Claro que, como todo evento astronômico, sua visibilidade dependerá em grande medida das condições meteorológicas: é necessário que não chova e que o céu esteja limpo.

Devido à sua luminosidade, pode ser visto sem binóculos ou telescópio. Você deverá olhar para o oeste, mas é importante que você o faça de um lugar claro como um parque ou um piso elevado, sem nada à sua frente que obstrua sua visão e, se possível, com pouca poluição luminosa.

Se você tiver um pequeno telescópio ou um par de binóculos, eles podem permitir que você veja as quatro maiores luas de Júpiter orbitando este planeta gigante.
À primeira vista, os dois planetas aparecerão quase "colados" no céu crepuscular da noite. O maior e mais brilhante ponto de luz é Júpiter.

A aproximação dos planetas já começou desde o dia 16 de dezembro, podendo ser observada desde já. 

O evento astronômico está previsto para ocorrer novamente em 31 de outubro de 2040.

Outra opção é visitar a página de um observatório internacional, como o Observatório Lowell, no Arizona, EUA, que fará a transmissão ao vivo da "grande conjunção".

Tire a poeira de seus binóculos: em 21 de dezembro, você poderá ver as luas de Júpiter Io e Calisto (à esquerda), Ganímedes e Europa (à direita) — Foto: Getty Images via BBC

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

'Superlua de esturjão' acontece nesta quinta-feira e será a última do ano

Comissão do Senado aprova regra que permite acumular crédito de telefonia não usado no mês seguinte

Apple aumenta preços do iPhone no Brasil; veja os novos valores

Curto-circuito em centro de dados do Google nos EUA deixa três feridos e gera instabilidade no serviço de busca