Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Turismo

Editoria sobre Turismo ir para editoria →

Europa

Viajantes do Brasil vacinados poderão entrar no Reino Unido sem necessidade de quarentena

De acordo com informações dadas pelo ministro de Transportes, Grant Shapps, nesta quinta (7), as mudanças começam a valer na próxima segunda-feira (11).

Passageiros no aeroporto de Heathrow, em Londres. (Foto: REUTERS/Toby Melville)

Por

GUARULHOS, SP (FOLHAPRESS) — O governo do Reino Unido aprovou a eliminação da exigência da quarentena em hotéis para viajantes de 47 países, reduzindo assim a chamada "lista vermelha" para apenas sete nações. Com isso, turistas partindo do Brasil com esquema de imunização completo serão autorizados a entrar no país europeu sem a necessidade de realizar quarentena após o desembarque.

A lista de países autorizados inclui também África do Sul, Índia e Turquia. Os recém-chegados totalmente vacinados terão de apresentar, no segundo dia em território britânico, um teste negativo para a Covid.

De acordo com informações dadas pelo ministro de Transportes, Grant Shapps, nesta quinta (7), as mudanças começam a valer na próxima segunda-feira (11).

A lista de países que seguem sujeitos à quarentena de dez dias em um hotel — com estadia custeada pelo próprio turista — é dominada por latino-americanos: Colômbia, República Dominicana, Equador, Haiti, Panamá, Peru e Venezuela. O governo britânico justifica a permanência desses países pela preocupação com as variantes Lambda e Mu, presentes na América Latina.

As vacinas autorizadas pelo Reino Unido são as da AstraZeneca, Pfizer, Moderna e Janssen. Turistas brasileiros completamente imunizados com a Coronavac ou, então, parcialmente imunizados com qualquer uma das vacinas, serão sujeitos a outras exigências. Terão de realizar um teste três dias antes do embarque e cumprir 10 dias de quarentena, com a opção de fazer um teste para ser liberado no tempo mínimo de cinco dias -nestes casos, o isolamento pode ser feito no local de estadia, e não necessariamente em um hotel.

O governo britânico frisou que o relaxamento das regras não se aplica no caso de o turista ter visitado um país da lista vermelha nos 10 dias antes de chegar ao Reino Unido. As informações completas, com detalhamento de como apresentar e solicitar os testes, estão disponíveis no site do governo britânico.

O governo de Jair Bolsonaro (sem partido), como mostrou a Folha, vinha se queixando e pressionando o Reino Unido para a eliminação da quarentena obrigatória. O ponto de preocupação é a participação da delegação brasileira na COP 26, reunião global sobre o clima, que a partir de 31 de outubro em Glasgow (Escócia).

No caso de participantes que viajarão para a COP, o Reino Unido aceitará todos os imunizantes, mesmo o da Coronavac. O presidente Bolsonaro, porém, afirma reiteradamente em declarações públicas não ter se vacinado contra a Covid.

A indústria britânica do turismo perdeu dois verões inteiros por consequência das restrições de viagens impostas para conter a disseminação do coronavírus. Companhias aéreas vinham pleiteando que o governo levantasse regras, sob a justificativa de que testes caros e exigências que mudavam com frequência atrasavam o reaquecimento do setor, deixando a indústria do país atrás de seus pares europeus.

"Restaurar a confiança das pessoas nas viagens é a chave para reconstruir nossa economia e nivelar o país", disse Shapps. "Com menos restrições e mais pessoas viajando, todos poderemos continuar avançando com segurança rumo à recuperação."

A ministra das Relações Exteriores, Liz Truss, também afirmou que o relaxamento das regras vai ao encontro dos objetivos sociais e econômicos do país. "Estamos atingindo o equilíbrio certo entre manter as pessoas seguras, que continua sendo nossa prioridade, e dar a elas a liberdade de exercer responsabilidade pessoal, ao mesmo tempo que apoiamos o setor de viagens."

O anúncio do governo britânico vem pouco mais de um dia após o Brasil retirar as restrições que impediam a entrada de passageiros vindos do Reino Unido, da África do Sul e da Índia.

De acordo com decisão publicada no Diário Oficial da União na noite de terça (5), os viajantes precisarão apresentar um teste negativo para a Covid-19. Poderão ser apresentados o teste de antígeno, realizado em até 24 horas anteriores ao momento do embarque, ou laboratorial RT-PCR, realizado em até 72 horas anteriores ao momento do embarque.

Os viajantes também deverão apresentar à companhia aérea um comprovante, impresso ou eletrônico, da Declaração de Saúde do Viajante (DSV), em que concorda com as medidas sanitárias que devem ser cumpridas durante o período em que estiver no Brasil. O formulário está disponível no site da Anvisa e deve ser apresentado em até 24 horas antes do embarque.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Maratona Internacional gera incremento de 20% na ocupação da rede hoteleira de João Pessoa

Azul Viagens anuncia novas operações diretas de São Paulo, Minas Gerais e Goiás para João Pessoa

Brasil tem 8 praias oficiais de nudismo: 'Sensação de liberdade', diz frequentadora

'Retrocesso', dizem naturistas sobre proposta de proibir nudismo em praia de Balneário Camboriú