Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Cultura

Editoria sobre Cultura ir para editoria →

Tradição

Luiz Gonzaga ainda reina no arraial nacional como o compositor mais tocado nas festas juninas

Fidelidade da obra do artista ao universo nordestino explica o fato de quatro das dez músicas mais ouvidas serem do autor de 'Olha pro céu'.

O cancioneiro do compositor pernambucano inclui muitas músicas voltadas para as festas de junho, caso de São João na roça (1952), título da parceria do artista com Zé Dantas (1921 – 1962). (Foto: Reprodução / capa de LP de 1968)

Por

Quem foi rei do baião – e de outros gêneros musicais nordestinos, como o xote – nunca perde a majestade, sobretudo no período das festas juninas.

De acordo com levantamento feito pelo Ecad (Escritório central de arrecadação e distribuição), das dez músicas mais tocadas nas festas juninas ao longo dos últimos dez anos, nada menos do que quatro são da lavra nobre de Luiz Gonzaga do Nascimento (13 de dezembro de 1912 – 2 de agosto de 1989). As dez músicas foram lançadas originalmente entre 1936 e 2000.

A relação destaca para Olha pro céu (Luiz Gonzaga e José Fernandes, 1951), clássico junino lançado por Gonzagão há 70 anos que aparece em segundo lugar na lista das dez mais do Ecad.

O cancioneiro do compositor pernambucano inclui muitas músicas voltadas para as festas de junho, caso de São João na roça (1952), título da parceria do artista com Zé Dantas (1921 – 1962).

Contudo, composições feitas fora do universo junino, como a toada Asa branca (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, 1947) e O xote das meninas (Luiz Gonzaga e Zé Dantas, 1953) aparecem na lista, em terceiro e sexto lugar, respectivamente, ao lado do animado Pagode russo (Luiz Gonzaga e João Silva, 1947), música que ocupa honroso quinto lugar.

É curioso notar que nem a ascensão do forró eletrônico nos últimos anos – tônica de geração pop que inclui Wesley Safadão, DJ Ivis e Barões da Pisadinha, entre outros nomes fortes no mercado nordestino – consegue destronar Luiz Gonzaga do pódio dos arraiais brasileiros.

O predomínio de Gonzaga em lista encabeçada por Festa na roça (Mario Zan e Diego Mulero, 1951) é reflexo da beleza e da força perene da obra do compositor pernambucano, ainda a mais perfeita tradução de um nordeste que faz festa para driblar a ardência de terra sertaneja que ainda gera muita pobreza, fruto da desigualdade social do Brasil.

Luiz Gonzaga ainda é rei nos arraiais porque deixou obra sólida fincada no chão nordestino. Obra que atravessa modismos e gerações por retratar alegrias e dores de quem vive na roça, dançando quadrilhas – virtuais desde 2020 por conta da pandemia – enquanto espera dias melhores e mais fartos.

♪ Eis, de acordo com levantamento do Ecad, as dez músicas mais tocadas nas festas juninas nos últimos dez anos:

1. Festa na roça (Mario Zan e Diego Mulero, 1951)

2. Olha pro céu (Luiz Gonzaga e José Fernandes, 1951)

3. Asa branca (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, 1947)

4. O sanfoneiro só tocava isso (Haroldo Lobo e Geraldo Medeiros, 1950)

5. Pagode russo (Luiz Gonzaga e João Silva, 1947)

6. O xote das meninas (Luiz Gonzaga e Zé Dantas, 1953)

7. Pula a fogueira (Getúlio Marinho e João Bastos Filho, 1936)

8. Eu só quero um xodó (Dominguinhos e Anastácia, 1973)

9. Quadrilha brasileira (Gerson Filho e Aguiar Filho, 1958)

10. Esperando na janela (Targino Gondim, Manuca Almeida e Raimundinho do Acordeom, 2000)

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Humorista Marina Miranda, da 'Escolinha', morre aos 90 anos

'Dias vão se tornando menos tristes', afirma nora de Glória Menezes ao publicar foto com atriz

Leitura das obras de Paulo Freire é essencial para entender a educação

Gisele Bündchen critica ódio contra modelo que fez declaração antivacina