Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Notícias Policiais

Editoria sobre Policial ir para editoria →

Em liberdade

Delegado e policiais acusados da morte de Geffeson Moura são soltos em Sergipe

O juiz Rossini Amorim Bastos indeferiu o pedido de prisão preventiva dos policiais.

Empresário Geffeson Moura tinha 31 anos e morreu ao ser confundido com criminoso procurado (Foto: Reprodução)

Por

O delegado e os dois policiais de Sergipe, acusados da morte do empresário Geffeson Moura, durante operação na Paraíba foram soltos nessa quarta-feira (21), após decisão judicial. O inquérito do caso foi finalizado no último dia 18 e foi solicitada a prisão preventiva dos três envolvidos, mas o juiz recusou. Eles são acusados de homicídio qualificado e fraude processual.

Os três réus estavam em prisão temporária desde 23 de abril, em Aracaju, no estado de Sergipe. O delegado Osvaldo Resende Neto e o policial civil José Alonso Santana estavam presos na Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core). Já o policial militar Gilvan Moraes de Oliveira estava no Presídio Militar.

Agora, o juiz Rossini Amorim Bastos indeferiu o pedido de prisão preventiva dos policiais, que poderão aguardar o julgamento em liberdade. Em entrevista ao ClickPB, o advogado Geraldo Quirino, que é tio da vítima, disse que vai recorrer da decisão.

Ao concluir o caso, o delegado Glauber Fontes destacou alguns pontos que justificam o pedido de prisão preventiva dos policiais sergipanos.

“Os policiais estavam ali não para prender, mas para executar, pois os disparos comprovam isso, sendo oito disparos à queima roupa. Além disso, para tentar ludibriar a investigação eles jogaram uma arma no carro da vítima e apresentaram essa arma apenas na Delegacia de Patos e não no local do crime, caracterizando o crime de fraude processual”, disse o delegado Glauber Fontes.

Outros agravantes foram encontrados durante a investigação da Polícia Civil da Paraíba, que revelou que o delegado da Polícia Civil de Sergipe, Osvaldo Resende, já tinha envolvimento em uma situação muito semelhante no ano de 2020 em Tamandaré, quando assassinou o tio de Luiz Henrique, que era o alvo que eles realmente queria, ou seja, já havia um problema familiar entre a equipe do delegado e o investigado Luiz Henrique, que era o alvo que eles procuravam”, destacou Glauber Fontes.

O que o relatório aponta é que o advogado Geffesson de Moura Gomes foi morto por engano, pois o alvo da equipe sergipana era o investigado Luiz Henrique Cunha Carvalho. Outro ponto é a questão da arma que foi atribuída a Geffesson. Segundo o delegado Glauber Fontes, a arma tinha sido revendida para um policial militar do estado de Sergipe.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Polícia Militar encerra festa e apreende veículo com som automotivo em Santa Rita

Polícia do Rio divulga lista com nomes de 28 mortos na operação do Jacarezinho

Polícia retifica número de mortos para 28 em Jacarezinho

Jovem é preso suspeito de roubar celular no bairro Colinas do Sul