Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Notícias Policiais

Editoria sobre Policial ir para editoria →

Violência

Réu é condenado a 16 anos de prisão por espancar homem até a morte

De acordo com os autos, o réu espancou um homem até a morte, junto com dois outros indivíduos. Francisco de Oliveira Júnior, motorista da Secretaria de Estado da Segurança e da Defesa Social (Seds), foi espancado até a morte

O réu foi levado a júri popular e foi considerado culpado do crime de homicídio, com os agravantes de meio cruel, motivo torpe e impossibilidade de defesa. (Foto: Reprodução)

Por

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) decidiu, por unanimidade, manter a sentença do 2º Tribunal do Júri da Capital, que condenou a 16 anos de reclusão o réu Ariston Johannes Ribeiro de Albuquerque pelo crime de homicídio qualificado.

De acordo com os autos, o réu espancou um homem até a morte, junto com dois outros indivíduos. Francisco de Oliveira Júnior, motorista da Secretaria de Estado da Segurança e da Defesa Social (Seds), foi espancado até a morte.

O processo teve relatoria do desembargador Joás de Brito Pereira Filho.

O réu foi levado a júri popular e foi considerado culpado do crime de homicídio, com os agravantes de meio cruel, motivo torpe e impossibilidade de defesa.

A defesa interpôs recurso, alegando que a decisão foi manifestamente contrária à prova dos autos e requereu a diminuição da pena fixada. Para o relator, entretanto, a materialidade do delito restou comprovada, assim como a autoria.

“Diante disso, de tudo o que se extrai dos autos, sem delongas, vê-se que a decisão dos jurados encontra-se amparada pelas provas trazidas ao processo, motivo pelo qual não há que se falar em decisão manifestamente contrária às provas dos autos. Da análise das provas, os jurados entenderam que o réu estava entre os executores do homicídio, afastando, assim, a tese da negativa de autoria”, avaliou o desembargador Joás de Brito.

Em relação às qualificadoras reconhecidas, o relator entendeu que a vítima foi exposta a intenso e desnecessário sofrimento, além de não conseguir esboçar defesa diante do número de agressores. “Assim, não merece acolhida o pleito relativo à diminuição da pena”, concluiu, negando provimento ao apelo.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Área externa de loja desativada no Centro de Campina Grande pega fogo durante montagem de abrigo de moradores de rua

PRF recupera na Paraíba carro roubado em Pernambuco com placas clonadas e prende motorista e vendedor do veículo

Polícia Militar apreende rifle e espingardas em João Pessoa

14 pessoas denunciam golpe imobiliário em Campina Grande; Polícia Civil investiga possível estelionato