Mundo Jurídico

ClickJus: TST decide sobre pagamento de honorários sucumbenciais pelo reclamante

No caso concreto, o Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região negou provimento ao recurso ordinário interposto pela parte reclamada, afastando a condenação da parte reclamante ao pagamento de honorários de sucumbência.

Por

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST), no julgamento do Recurso de Revista 425-24.2018.5.12.0006, de relatoria do Ministro Alexandre Luiz Ramos, fixou o entendimento de que tratando-se de reclamação trabalhista ajuizada após a vigência da Lei nº 13.467/2017 deve ser aplicado o disposto no artigo 791-A, e parágrafos, da CLT, sujeitando-se a parte reclamante à condenação em honorários de sucumbência, mesmo sendo beneficiária da gratuidade de justiça. Nesse sentido, quando houver procedência parcial da causa deverá o juiz definir honorários de sucumbência recíproca, em harmonia com o disposto no artigo 791-A, § 3º, da CLT.

No caso concreto, o Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região negou provimento ao recurso ordinário interposto pela parte reclamada, afastando a condenação da parte reclamante ao pagamento de honorários de sucumbência, por entender não se tratar de hipótese de sucumbência recíproca. O acórdão recorrido reconheceu a procedência parcial do pedido, vez que a condenação não alcançou 5,5% do postulado inicialmente, no entanto, afastou-se a sucumbência recíproca seguindo a compreensão de que “houve êxito do autor no pedido de retorno ao trabalho e de parte dos salários”.

Ensejou-se, dessa maneira, a interposição do recurso de revista fundamentado, entre outros aspectos, na violação ao artigo 791-A, § 3º, da CLT (“na hipótese de procedência parcial, o juízo arbitrará honorários de sucumbência recíproca, vedada a compensação entre os honorários”) e na caracterização da sucumbência recíproca e mínima do pedido, considerando a diferença entre os valores do pedido formulado pela parte reclamante e da condenação.

Para sustentar o entendimento fixado com a decisão detalhou-se o teor do artigo 791-A, da CLT, introduzido no ordenamento jurídico “com o objetivo de inibir lides temerárias”, bem como o artigo 6º, da Instrução Normativa nº 41/2018, editada pelo TST, para conferir segurança jurídica ao jurisdicionado, de acordo com o qual indica-se que a aplicação do supracitado dispositivo ocorrerá às ações propostas após 11 de novembro de 2017. 

No seu voto, o Ministro Relator explicou que a condenação em honorários sucumbenciais é imposta ainda que a parte reclamante seja beneficiária da justiça gratuita: “mesmo que o reclamante não obtenha créditos no presente processo, ou em outro que tramite na Justiça do Trabalho, a condenação ainda é exigida por conta da sucumbência recíproca, ainda que seja suspensa pelo prazo de 2 anos”. Tal entendimento, como se expôs na decisão, se mostra em consonância com precedentes da 4ª, 5ª e 8ª Turmas do TST.

Wilson Sales Belchior – Graduado em Direito, especialista em Processo Civil e Energia Elétrica, MBA em Gestão Empresarial, Mestre em Direito e Gestão de Conflitos, Doutorando em Direito Constitucional. Advogado, palestrante, professor universitário em cursos de pós-graduação em diferentes estados e autor de diversos artigos e livros, publicados em revistas, jornais, portais de notícias e editoras de circulação nacional. Atualmente é Conselheiro Federal da OAB eleito para o triênio 2019-2021 e Presidente da Comissão Nacional de Direito Bancário.

Comentários (0)

Comentar

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal ClickPB não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.

Destaques

ver blog →

ClickJus: Poder Executivo apresenta marco legal das startups e do empreendedorismo inovador

ClickJus: Termina conflito sobre abuso de direito de ação quando ocorre invasão de direito alheio

ClickJus: STF referenda liminar suspendendo leis do Maranhão sobre pagamento de empréstimos consignados

ClickJus: Decisão no CNJ reafirma a indispensabilidade da advocacia em questões de direito de família