UFC

Em reta final de recuperação Mayra Sheetara projeta voltar a lutar no mês de janeiro

Mineira enaltece ajuda da namorada, a também lutadora Glorinha de Paula, durante período sem entrar no octógono: "Preciso voltar ao trabalho, senão o negócio vai apertar (risos)".

Por

Em setembro do ano passado, Mayra Sheetara comemorava sua estreia com finalização no UFC São Paulo, conquistada um mês após ser contratada pela organização no Contender Series Brasil. A carreira parecia que deslancharia - até que uma lesão no joelho esquerdo na vitória contra Gilian Robertson, no Ginásio do Ibirapuera, a forçaria a ficar fora de ação durante 2019 inteiro.

Um ano após o duelo, Mayra Sheetara está em reta final de recuperação. Em entrevista ao Combate.com academia Chute Boxe, comandada por Diego Lima, em São Paulo, a mineira espera recuperar o tempo perdido, em 2020.

- Eu pretendo lutar bastante ano que vem, fazer cinco ou seis lutas. Quero compensar esse ano estamos. Com calma, inteligência e voltando a treinar, vou deixar que meus empresários trabalhem nisso, que os médicos vejam como está e vou deixar para o Diego ver que acha melhor para a minha carreira e como crescerei no evento. Janeiro é uma data boa, excelente para lutar. Estou confiante de que dará certo voltar nessa data, estou trabalhando duro para dar tudo certo e, se deus quiser, estar de volta.

Sheetara - que assinou contrato com o Ultimate ao finalizar Mayana Kellen no Contender Brasil, realizado em Las Vegas (EUA) - tem treinado normalmente, utilizando uma proteção no joelho esquerdo. Ela, porém, ainda evita algumas determinadas atividades até que haja a liberação total dos médicos.

- Faço teste de força para comparar os joelhos. O último fiquei com 15% de diferença. O médico me pediu para voltar no fim do mês para ver como estou. Estou fazendo força e, se estiver com menos de 5% de diferença, ele me libera. O que não estou fazendo é wrestling. Estou treinando boxe, jiu-jítsu, muay thai. Estou bem.

Se por um lado é funcionária do Ultimate, por outro Sheetara, assim como os demais lutadores da entidade, não recebe salário mensal. O dinheiro vem somente da bolsa recebida quando entra no octógono, portanto, ela nada recebeu em 2018. A mineira tem contado com o que recebeu em 2018 e com a ajuda da namorada, a também lutadora Glorinha de Paula. Entretanto, espera não demorar para pisar novamente no cage, afinal, os boletos não dão trégua.

- Tenho uma pessoa sensacional do meu lado, que é a Glorinha. Se não fosse por ela eu teria passado uma barra. Não é fácil porque não recebemos para isso, mas ela consegue administrar a minha ansiedade. Graças a ela consegui manter os pés no chão para ficar tranquila e aproveitar o dinheiro que ganhei do Contender e da primeira bolsa. A ansiedade de voltar a lutar é... até quando vamos nos manter? Tive a ajuda dela, da família dela e nos mantivemos. Preciso voltar ao trabalho, senão o negócio vai apertar (risos).


Fonte: combate.com

Comentários (0)

Comentar

Destaques

ver blog →

Jacaré prega respeito a Blachowicz no UFC SP, mas avisa: “Acho que ele não vai durar muito”

Sem atuar há dois anos, Rafael Feijão diversifica investimentos e projeta aposentadoria para 2020

Invicto, lutador brasileiro relembra infância difícil antes de estreia no LFA: ‘Eu sempre acreditei em mim’

Zabit Magomedsharipov vence Kattar e segue invicto no UFC