UFC

Vivi Araújo dedica vitória a irmão: "Passou por momentos muito difíceis"

Brasileira, que bateu Andrea Lee, relata que Thiago teve sua primeira saída terapêutica da clínica de reabilitação para usuários de drogas neste sábado e mandou mensagem para ele.

Por

A vitória de Vivi Araújo neste sábado contra Andrea Lee teve sabor especial. A brasileira, que teve boa atuação no UFC Blachowicz x Rakic, em Las Vegas (EUA), dedicou o resultado positivo a seu irmão, Thiago, que teve sua primeira saída terapêutica da clínica de reabilitação no dia da luta de sua irmã e pôde comemorar o triunfo com a família. Ele passa atualmente por tratamento para se recuperar do vício das drogas.

- Essa vitória eu dedico a ele, sei que ele passou por momentos muito difíceis, está passando ainda, porque está no meio do processo. É para que ele enxergue que estou do lado dele, que a família toda está do lado dele. Essa vitória é para ele. Ele teve a saída terapêutica, conversei com a minha mãe, não falei com ele ainda. Eles assistiram juntos lá na casa da minha irmã. Todo mundo junto e ele gostou muito da luta. Ele é um grande fã meu. Fica bastante ansioso quando vou lutar e torce bastante. Minha mãe falou que ele ficou muito feliz, que valeu a pena ter saído neste sábado para ver a luta e me mandar energia positiva - vibrou Vivi, em entrevista.

Sobre a atuação contra Lee, Vivi passou por um susto no primeiro round, quando levou um knockdown. Segundo a atleta da Cerrado MMA, ela perdeu a visão por alguns momentos, mas exaltou o poder de recuperação que mostrou no combate, quando dominou o segundo e terceiro rounds.

- Foi uma luta que eu já esperava que ia ser bem dura, ela me surpreendeu. Ainda não vi a luta de novo, mas ela me surpreendeu no comecinho e levei um knockdown. Me deu um "flash". Minha visão só voltou quando já estava na meia-guarda e aí tive que buscar muita força, muita determinação. Foi o que trabalhei muito nesse camp, meu mental, foi muito importante pra esse knockdown não deixar me abalar. Voltei muito forte, na estratégia, que era pressionar e levar para o chão, trabalhar bastante meu jiu-jítsu e abrindo as brechas. Foi o que aconteceu. Graças a Deus a gente saiu com a vitória, estou muito feliz. É fruto de muito trabalho, a gente se dedicou muito nesse camp, trabalhei muito meu cardio, meu mental. Várias técnicas de wrestling com meus professores. Meu boxe também estava muito bom. O resultado veio.

A lutadora lamentou o caso de racismo e xenofobia do córner de Andrea Lee, o lutador do UFC Tony Kelley, que chamou os brasileiros de sujos e trapaceiros no intervalo do primeiro para o segundo round.

- Eu recebi a notícia sobre o córner dela ter dito aquilo, eu estava no hospital, então um dos meus córneres me falou e achei lamentável. Foi bem infeliz da parte dele ter dito isso. Vi pelas redes sociais também que os brasileiros estão se posicionando contra a postura dele e não tenho nem muito o que falar sobre isso. Ofuscou um pouquinho o que realmente importava, que era a grande luta que eu e a Andrea Lee fizemos. Meio que ofuscou com essa postura infeliz dele, mas vamos ver os próximos passos, o que o UFC vai fazer em relação a isso - afirmou.

Número 8 da divisão dos moscas (até 57kg) antes da vitória, Vivi agora quer enfrentar uma top 5 da categoria, mas também citou a sexta colocada, Manon Fiorot, como possível rival em seu próximo compromisso.

- Nosso objetivo agora é mirar uma das top 5, quem sabe também talvez a francesa (Fiorot) que está num "hype" bom, sexto lugar do ranking, seria uma luta bem interessante de se fazer. Aproveitar esse meu momento, que evoluí bastante minhas habilidades, meu wrestling, minha agressividade, meu cardio, meu gás. Então é uma luta boa de se fazer. Qualquer menina que estiver disponível do top 5 que aceitar lutar comigo, a gente está topando - garantiu.

Vivi Araújo não foi para a coletiva de imprensa após sua luta pois o UFC preferiu enviá-la direto ao hospital para ser examinada, mas ela explicou que está tudo bem.

- Como eu tive aquele knockdown no começo, o UFC pede que eu faça uns exames para saber se está tudo bem. Fui ontem, fizemos uma ressonância na cabeça, mas não estou sentindo dor nenhuma, estou super bem, estou ótima e ontem mesmo já saiu o resultado e está tudo ok, tudo 100% - concluiu.



Fonte: Combate.com

Comentários (0)

Comentar

Destaques

ver blog →

Após inatividade, Natália Silva mostra alívio com estreia no UFC: "Achei que poderia nem voltar"

Com recorde de bilheteria, presidente do UFC abre o bolso e premia todos os lutadores que nocautearam

Karine Silva e Lucas Almeida faturam bônus de mais de R$ 238 mil logo na estreia no UFC

Lutador australiano quebra a perna em lesão semelhante a de Anderson Silva