Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Anvisa pede que Fiocruz prove que vacina de Oxford importada da Índia é semelhante à do Reino Unido

"É necessário entender se o produto do fabricante indiano é semelhante ao fabricado no Reino Unido e que teve os dados clínicos aprovados", informa a agência.

Entre os pontos pendentes estão dados sobre a composição do imunizante e que mostrem que a vacina, que deve ser importada do Serum Institute, da Índia, é a mesma já usada no Reino Unido, por exemplo. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após obter aval para importar 2 milhões de doses da vacina de Oxford contra a Covid-19, a Fiocruz corre agora para obter os últimos documentos exigidos pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que permitam à instituição pedir o uso emergencial da vacina no Brasil.

Entre os pontos pendentes estão dados sobre a composição do imunizante e que mostrem que a vacina, que deve ser importada do Serum Institute, da Índia, é a mesma já usada no Reino Unido, por exemplo.

"É necessário entender se o produto do fabricante indiano é semelhante ao fabricado no Reino Unido e que teve os dados clínicos aprovados", informa a agência.

Os itens foram discutidos em reunião entre representantes da Fiocruz e Anvisa nesta segunda-feira (4). A previsão da Fiocruz é apresentar um pedido de uso emergencial da vacina até quarta (6).

Nos últimos dias, a Fiocruz obteve aval da agência para importar, de forma excepcional, 2 milhões de doses já prontas da vacina. A medida faz parte de uma estratégia para tentar antecipar o início da vacinação para janeiro.

No domingo (3), porém, o CEO do Instituto Serum disse a agências de notícias estrangeiras que a Índia não permitirá, ao menos até março, a exportação das doses que produzirá da vacina de Oxford. A instituição havia sido contratada para produzir 1 bilhão de doses do imunizante para países em desenvolvimento.

Ainda não há informações sobre o impacto da medida no acordo para obter as 2 milhões de doses.

A vacina de Oxford é hoje a principal aposta do governo brasileiro para a imunização contra a doença.

O plano do governo é iniciar a vacinação com essas doses iniciais, importadas, enquanto a Fiocruz, que tem uma parceria com a AstraZeneca, começa a produção das demais 100 milhões de doses previstas em acordo com a farmacêutica – e cuja entrega é prevista para ser iniciada em fevereiro e concluída ao longo do primeiro semestre.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Brasil registra 928 mortes por Covid-19 em 24 h e total passa de 488 mil

Bolsonaro agradece Netanyahu por parceria e dá boas-vindas a novo governo em Israel

CPI da Covid deve ouvir Witzel, Wizard e auditor do TCU nesta semana

Quem é o criminoso que 'dribla' as polícias civil, militar e federal em fuga que já dura seis dias entre DF e Goiás