Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Política

Apenas ministro paraibano Vital do Rêgo vota contra privatização da Eletrobras e TCU forma maioria para aprovar desestatização

Governo aguarda aprovação do tribunal para fazer a privatização da companhia ainda este ano. Se placar for confirmado, será a primeira grande estatal a ser vendida pelo governo Bolsonaro.

Quando o processo for concluído, a estatal se tornará uma empresa sem controlador definido. Modelo semelhante foi adotado na privatização da Embraer. Nenhum acionista terá poder de voto superior a 10% de suas ações. (Foto: reprodução)

Por

Com apenas um voto contrário do ministro paraibano Vital do Rêgo, o plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) formou maioria nesta quarta-feira (18) para aprovar a privatização da Eletrobras, empresa responsável pela geração e transmissão de energia.  Como acompanhou o ClickPB, até o final dessa matéria, o placar era de 7 votos a 1 pela aprovação do modelo de venda defendido pelo governo.

Com a eventual aprovação no TCU, ainda faltará o cumprimento de alguns trâmites burocráticos na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e na Securities and Exchange Commission (SEC) para que a oferta de ações da Eletrobras seja lançada no mercado.

A ideia inicial do governo era fazer a oferta de ações até 13 de maio, mas pedido de vista (mais tempo para análise) do ministro Vital do Rêgo adiou os planos. Oficialmente, o governo ainda não informou a data de privatização, mas a expectativa é que a operação aconteça entre junho e até, no máximo, meados de agosto.

Antes do julgamento do mérito, Vital do Rêgo pediu que o tribunal suspendesse o processo até a área técnica do tribunal concluir a fiscalização sobre dívidas judiciais da companhia, que poderiam causar uma subavaliação da estatal. Os ministros negaram o pedido de suspensão por 7 a 1.

A primeira etapa já tinha sido aprovada em fevereiro. Na ocasião, os ministros analisaram e aprovaram o chamado "bônus de outorga" que, após a privatização, a Eletrobras deverá pagar à União pela renovação dos contratos das 22 usinas hidrelétricas da empresa.

O governo optou por realizar a privatização na forma de uma capitalização, ou seja, serão ofertadas novas ações da Eletrobras na bolsa de valores, em uma oferta que não será acompanhada pela União. Com isso, a União deixará de ser a acionista controladora da empresa.

Quando o processo for concluído, a estatal se tornará uma empresa sem controlador definido. Modelo semelhante foi adotado na privatização da Embraer. Nenhum acionista terá poder de voto superior a 10% de suas ações. O objetivo é justamente pulverizar o capital da empresa, de modo a não ter nenhum grupo dominante sobre as suas decisões.

Saiba mais:

Ministro paraibano Vital do Rêgo vota contra privatização da Eletrobras e aponta supostas ilegalidades no processo

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Pesquisadora descobre floresta fossilizada de 290 milhões de anos no Paraná

Brasil registra primeiros casos de transmissão comunitária da varíola do macaco

Incêndio em centro de tratamento deixa 11 mortos em Carazinho

Governo paga hoje Auxílio Brasil a beneficiários com NIS final 6