Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Saúde

Após manifestações da AGU e do STF, Conselho de Secretários de Saúde afirma que irá examinar denúncia 'de forma meticulosa'

"Em mais de 300 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 já aplicadas, é possível que tenham ocorrido erros como os listados na denúncia", diz a nota.

Vacinação infantil (Foto: Reprodução)

Por

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS) divulgou nesta quarta-feira (19) uma nota conjunta com considerações sobre a denúncia em relação a vacinação contra Covid-19 em crianças menores de 12 anos.

Em nota, as instituições informam que vão examinar a denúncia de "forma meticulosa" e mencionam a instabilidade dos sistemas de informação do Ministério da Saúde.

"Em mais de 300 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 já aplicadas, é possível que tenham ocorrido erros como os listados na denúncia. Tanto podem ser erros de digitação, ou erros dos próprios sistemas de informação, o que impõe cautela e discernimento para a verificação de tais situações. Entretanto, vale ressaltar que no histórico do Programa Nacional de Imunizações (PNI) a regra tem sido a da eficiência e não o contrário", diz a nota.

LEIA MAIS

Confira a nota na íntegra abaixo:


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Era Bolsonaro é repugnante, diz diretor teatral que dribla Parkinson ao montar peças

Neve anima moradores em Santa Catarina e atrai turistas no meio da semana

Sistemas do Ministério da Saúde ficam fora do ar após suspeita de ataque hacker

STF julga constitucionalidade da Lei Seca e tolerância zero está no centro da discussão