Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Bolsonaro diz que Economia exagerou na reforma tributária e que Receita foi com muita sede ao pote

"Agora, o que nós não podemos fazer é aumentar carga tributária no Brasil", disse Bolsonaro.

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta terça-feira (20) que "houve um exagero" por parte do Ministério da Economia na elaboração da reforma tributária e que a Receita Federal foi "com muita sede ao pote".

As declarações foram dadas em entrevista à rádio Itatiaia.

"Houve um exagero por parte da Economia na reforma tributária, já está sendo acertado com o relator. Realmente, a Receita, no meu entender, como é muito conservadora, [eles] foram com muita sede ao pote. E eu falei, mesmo sendo projeto meu, se passar no Congresso e chegar para mim aumentando a carga tributária, eu veto. Eu não tenho problema em vetar o que nasceu de mim. Problema nenhum", explicou.

"Agora, o que nós não podemos fazer é aumentar carga tributária no Brasil", disse Bolsonaro.

"Paulo Guedes [ministro da Economia] sabe do assunto, obviamente, ele é o nosso Posto Ipiranga. Também trabalha para que ,no final das contas, não se aumente a carga tributária no Brasil".

A versão da reforma do IR (Imposto de Renda) encaminhada ao Congresso pelo Ministério da Economia gerou uma onda de críticas feitas por empresários e especialistas ao texto do fim de junho. O projeto original promovia um aumento agregado da carga sobre as companhias.

Diante das críticas, o relator da proposição, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), formulou um parecer para prever um corte de 12,5 pontos percentuais no tributo sobre empresas.

Já análise da parte da reforma que unifica PIS e Cofins em um novo tributo (a CBS, Contribuição sobre Bens e Serviços) foi adiada para agosto, depois do recesso do Congresso. O projeto foi entregue em julho do ano passado e até hoje não avançou.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Ninguém acerta a Mega-Sena e próximo concurso deve pagar R$ 33 milhões

Ministro anuncia autorização de instalação de transformador em Subestação João Pessoa II para transmissão de energia elétrica a outros estados do país

STF nega 8 habeas corpus pedidos pela defesa de Daniel Silveira

​Luísa Sonza rebate internauta falou de mudança em sua aparência