Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Bolsonaro quer escolher nomes a governos do Rio de Janeiro e de São Paulo em futuro partido

Em entrevista à Rádio ABC, de Novo Hamburgo (RS), chefe do Executivo disse que pretende também indicar candidatos a oito vagas no Senado nas próximas eleições, caso se filie a uma nova legenda.

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) (Foto: AFP)

Por

O presidente Jair Bolsonaro disse, nesta segunda-feira (2), que gostaria de concorrer à reeleição em 2022 por um partido que o permitisse escolher candidatos aos governos do Rio e de São Paulo e a oito vagas no Senado.

"Se chegar num acordo nesse sentido e for bom para a outra parte, a gente faz um casamento. E tenha certeza que a gente vai ser feliz por um bom tempo", afirmou, durante entrevista à Rádio ABC, de Novo Hamburgo (RS).

O presidente reafirmou estar em negociações com o Partido Progressistas (PP), presidido pelo novo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira. Uma eventual ida de Bolsonaro para a sigla representaria mais um passo na aproximação com o Centrão, que assume cada vez mais o controle do governo.

Bolsonaro afirmou que pretende definir seu novo partido até março do próximo ano, quando ainda poderia escolher nomes para o Legislativo tentar garantir uma base de apoio no Congresso a um eventual segundo mandato. "A definição tem que vir no máximo em março. Se eu pensar em disputar uma eleição, tem que fazer uma bancada", reforçou.

O mandatário havia dito anteriormente que escolheria seu novo partido até março deste ano, após as eleições para as presidências da Câmara e do Senado. Porém, algumas exigências que tem feito dificultaram as conversas com várias legendas. O presidente exige, por exemplo, ter o controle total da máquina partidária, o que nenhum chefe de sigla concordou.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Governador do Amazonas vira réu no STJ por fraude na compra de respiradores

Internado, Pelé assiste a jogo entre Brasil e Argentina no futebol feminino

Integrante da comitiva de Bolsonaro em Nova York recebe diagnóstico de Covid

Renan adia relatório da CPI da Covid após ação contra Precisa e suspeitas sobre Prevent Senior