Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Cármen Lúcia, do STF, vê fatos graves e possível crime em uso de TV pública para live de Bolsonaro

Segundo a magistrada, o fato pode configurar crime de natureza eleitoral.

Cármen afirma ainda que não é permitido "utilização do patrimônio público em benefício de grupo e em detrimento da nação brasileira". (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — A ministra Cármen Lúcia, do STF (Supremo Tribunal Federal), classificou como "grave" o fato de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ter usado uma TV pública para transmitir a live em que fez diversas declarações falsas sobre o sistema eleitoral brasileiro. Segundo a magistrada, o fato pode configurar crime de natureza eleitoral.

Cármen fez essas afirmações na decisão em que enviou à PGR (Procuradoria-Geral da República) uma notícia-crime apresentada por deputados logo após o chefe do Executivo ter publicado a live nas redes sociais.

Agora, a Procuradoria deverá se manifestar se é caso de abertura de inquérito para aprofundar as investigações ou se o pedido dos parlamentares tem que ser arquivado por não haver indícios de crimes.

A magistrada disse que, apesar de a jurisprudência apontar que o STF não é o foro competente para analisar ações de improbidade administrativa, é preciso levar em consideração que o "grave relato apresentado pelos autores da petição conjuga atos daquela natureza com outros que podem, em tese, configurar crime".

"Servir-se de coisa do público para interesse particular ou de grupo não é uso, senão abuso, por isso mesmo punível — se comprovado — nos termos constitucional e legalmente definidos", diz.

Cármen afirma ainda que não é permitido "utilização do patrimônio público em benefício de grupo e em detrimento da nação brasileira".

"A República impõe decência, integridade e compostura nos atos e comportamentos dos agentes púbicos. E, no Brasil, assim é porque a Constituição assim exige", conclui.
Entre os delitos, ela também menciona a utilização ilegal de bens públicos e atentados contra a independência de Poderes da República.

No pedido apresentado ao Supremo, os deputados dizem que Bolsonaro também pode ter cometido o crime de propaganda eleitoral antecipada.

Os autores da petição ainda citam a incitação a comportamentos dos cidadãos com base em dados mentirosos, o estímulo a comportamentos contra as instituições do país e o discurso de violência.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Noivos passam mal antes do casamento, e ex-namorada é suspeita de envenenar casal

Covid-19: Brasil tem 15,7 mil novos casos e 537 mortes em 24 horas

Polícia Federal recupera garrafas de vinho, avaliadas em R$ 60 mil, furtadas do Ministério das Relações Exteriores

Uber diz que baniu 1.600 motoristas por cancelamento de viagem