Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

'Chega de frescura e mimimi, vão chorar até quando?', diz Bolsonaro sobre pandemia

"Só este mês vamos chegar 20 milhões de doses para nós, no mínimo, o mês que vem, no mínimo, 40 milhões de doses. Somos responsáveis, estamos fazendo o que é certo", afirmou.

O presidente ainda voltou a dizer que "lockdown não funciona" e disse, erroneamente, que teve a autoridade "castrada". (Foto: Reprodução)

Por

RIBEIRÃO PRETO, SP, E SÃO SIMÃO, GO (FOLHAPRESS) — O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar nesta quinta-feira (4) as medidas de isolamento social no país e disse que os problemas precisam ser enfrentados pela população.

"Nós temos que enfrentar os nossos problemas, chega de frescura e de mimimi. Vão ficar chorando até quando? Temos de enfrentar os problemas. Respeitar, obviamente, os mais idosos, aqueles que têm doenças, comorbidades, mas onde vai parar o Brasil se nós pararmos?", questionou o presidente em São Simão (GO).

Na quarta-feira (3), Brasil registrou seu segundo dia consecutivo de recorde de mortes por Covid-19 em 24 horas, 1.840, com a rede hospitalar colapsando em vários estados, e superou os Estados Unidos em número de novas mortes decorrentes da doença por grupo 100 mil habitantes.

Bolsonaro foi à cidade goiana participar da inauguração de um trecho de 172 quilômetros da ferrovia Norte-Sul, que ligará o município a Estrela D'Oeste (SP), o que permitirá o envio de cargas ao porto de Santos.

Num discurso de cerca de 20 minutos, o presidente ainda elogiou produtores rurais —parte do público presente na inauguração do terminal ferroviário —, ao dizer que eles não se acovardaram na pandemia, e disse que até o final do próximo mês o país terá recebido ao menos 40 milhões de doses de vacinas contra o novo coronavírus.

"Só este mês vamos chegar 20 milhões de doses para nós, no mínimo, o mês que vem, no mínimo, 40 milhões de doses. Somos responsáveis, estamos fazendo o que é certo", afirmou o presidente.

De acordo com ele, as vacinas começaram a ser compradas assim que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou e seu governo nunca se afastou delas.

"Nunca nos afastamos de buscar vacinas, mas sempre disse uma coisa: 'ela tem que passar pela Anvisa'. A gente está vacinando seres humanos e a Anvisa é uma passagem obrigatória. E isso aconteceu tão logo a Anvisa começou a certificar as vacinas, nós passamos a comprá-las. Hoje somos um dos países que em valores absolutos mais temos gente vacinada."

Já são cerca de 260 mil mortes provocadas pela Covid-19 no Brasil.

O presidente ainda voltou a dizer que "lockdown não funciona" e disse, erroneamente, que teve a autoridade "castrada".

"Apelo aqui, já que foi me castrada a autoridade, para que governadores e prefeitos repensem a política do fechar tudo [...] Vamos combater o vírus, mas não de forma ignorante, burra, suicida. Como gostaria de ter o poder, como deveria ser meu, para definir essa política."

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu, ainda em 2020, que estados e municípios têm autonomia para determinar o isolamento social em meio à pandemia. 

No evento, o presidente ainda criticou a imprensa e afirmou, ao se referir ao ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente), que ele só sai do governo se "for elogiado pela Globo ou pela Folha".

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

STF mantém julgamento sobre Lula em plenário e deixa decisão para esta quinta-feira

MPF processa ex-ministro Pazuello e secretário de Saúde do AM por responsabilidade na crise de oxigênio no estado

Justiça do Rio mantém Dr Jairinho, que está preso, na cadeira de vereador

STF confirma decisão de Barroso que mandou Senado instalar CPI da Covid