Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Com tensões na América Latina, Bolsa cai 1,49% e volta aos 106 mil pontos

A Bolsa brasileira caiu 1,49% e foi a 106.751 pontos, menor patamar desde 21 de outubro.

O dólar subiu 0,62% e voltou a R$ 4,1680, mesmo valor da última sexta (8), com a saída do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da prisão. (Foto: Reprodução)

Por

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O mercado brasileiro foi impactado pelos protestos na América Latina e pela incerteza quanto a um acordo comercial entre China e Estados Unidos nesta terça-feira (12). A Bolsa brasileira caiu 1,49% e foi a 106.751 pontos, menor patamar desde 21 de outubro.

O dólar subiu 0,62% e voltou a R$ 4,1680, mesmo valor da última sexta (8), com a saída do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da prisão. 

A terça-feira foi marcada por uma greve geral no Chile, após o presidente Sebastián Piñera anunciar o início do processo para mudar a Constituição, uma herança da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990). O processo não será com uma Assembleia Constituinte –como solicitado nas ruas–, mas com um Congresso Constituinte, cujos detalhes e composição ainda não estão definidos. 

A mudança constitucional assusta investidores, que não sabem o que esperar do novo texto. No país, o dólar subiu 3% sessão e foi a 783,82 pesos, máxima histórica. O risco-país chileno medido pelo CDS (Credit Default Swap) de cinco anos disparou 12%, a 47 pontos, maior valor desde junho.

Na Bolívia, a senadora Jeanine Añez, 52, que diz ser a próxima na linha de sucessão na Bolívia depois da renúncia de Evo Morales no domingo (10), tenta aprovar a renúncia do presidente na Assembleia Legislativa em sessão extraordinária marcada para esta terça. Por enquanto, o país está sem comando. 

Além das tensões na América Latina, investidores estão inseguros quanto a "fase 1" do acordo comercial entre China e Estados Unidos. Em discurso nesta terça, o presidente americano, Donald Trump, disse que o acordo pode acontecer em breve e que na falta de um entendimento, novas tarifas serão aplicadas aos chineses. 

Trump não mencionou as tarifas que os EUA pretende implementar esta semana sobre carros e autopeças importadas da União Europeia, que tem sido adiada, mas voltou a criticar as praticas comerciais europeias.

Depois do discurso sem grandes novidades, o índice Dow Jones fechou estável, enquanto o S&P 500 teve leve alta de 0,16%.

No Brasil, o Ibovespa caiu 1,49%, a 106.751 pontos. O giro financeiro foi de R$ 18,880 bilhões, acima da média diária para o ano.

O setor bancário também contribuiu para a queda. Com o corte pela metade a taxa de juro do cheque especial da Caixa Econômica Federal, as ações dos bancos, de grande peso para o índice, tiveram quedas superiores a 1% na sessão.

Fora que o mercado monitora a saída do presidente Jair Bolsonaro do PSL, o que pode atrasar a reformas preteridas pelo governo e prejudicar a articulação política do planalto.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Damares anuncia projeto para endurecer pena de abuso sexual contra criança e adolescente

Ministério Público abre inquérito para investigar estudante picado por cobra

Polícia Federal cumpre mandado contra deputado Paulinho da Força em fase da Lava Jato que investiga crime eleitoral

Bolsonaro diz que deve fazer novo exame de Covid nesta terça-feira