Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

CPI Covid

Diretor da Prevent nega esconder mortes em estudo com cloroquina e acusa manipulação de planilha

O documento também aponta que a operadora omitiu sete mortes por Covid-19 nesse estudo.

O diretor ainda completou que todas as acusações são "infundadas" e que processo no Ministério Público do Trabalho foram arquivados. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — Em depoimento à CPI da Covid, o diretor executivo da Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, negou que tenha escondido número de mortes em decorrência da Covid-19 em um estudo realizado em hospitais da rede.

Um dossiê assinado por 15 médicos do grupo apontou que a Prevent usava os hospitais da rede como laboratório para ministrar hidroxicloroquina e outros medicamentos sem eficácia comprovada para o tratamento da Covid, sem o consentimento de familiares e pacientes. O documento também aponta que a operadora omitiu sete mortes por Covid-19 nesse estudo.

Batista Júnior negou que tenha escondido as mortes. Alegou que todos os óbitos que divergiam do dado oficial aconteceram em um período após o encerramento do estudo. Além disso, acusou médicos de alterar uma planilha interna para tentar comprometer a operadora.

O diretor ainda completou que todas as acusações são "infundadas" e que processo no Ministério Público do Trabalho foram arquivados.

ESTUDO COM CLOROQUINA

O diretor da Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, negou que a operadora de saúde tenha feito um estudo sobre o uso da hidroxicloroquina e que havia apenas uma "observação" executada pelos médicos e os dados eram reunidos.

Batista Júnior também disse que as prescrições eram feitas com o consentimento dos pacientes.

"Não foi um estudo essa observação dos 630 pacientes", respondeu o diretor-executivo, ao ser questionado se esse estudo havia recebido autorização da Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa). Disse que a Conep foi consultada apenas para casos "estruturados"

"Não houve autorização, porque não houve testagem [com a medicação]", completou.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

CPI da Câmara Municipal de São Paulo recebe denúncia de assédio sexual contra médicos da Prevent

Secretários de Guedes pedem demissão após manobra para abrir espaço no teto de gastos

Ao menos 16 tubarões foram vistos em Balneário Camboriú desde agosto

Governo de Rondônia proíbe uso da linguagem neutra em escolas públicas e privadas